Produzido por: http://leitaoemacao.com

  Edição de OUTUBRO/2016

    17  
    Bruno Bartolomasi   1 out 2016  

    CONSELHO DE WARREN BUFFETT AOS PEQUENOS ...

     
    Olá amigos,  
     
    Segue abaixo um trecho de uma carta de Warren Buffett em que ele dá bons conselhos aos pequenos investidores, não profissionais e que acaba também com o mito de que o melhor é não diversificar. Talvez alguns já tenham lido, mas achei interessante compartilhar com os amigos. 
     
    Abraço. 
     
    “O investimento é mais inteligente quando é metódico.” –Benjamin Graham, O Investidor Inteligente 
     
    “Esta frase se encaixa ... Ver mais para abrir este artigo porque eu devo a ele muito do que eu sei sobre investimentos. Eu falarei sobre Ben depois, e falarei em breve sobre ações. Mas deixe-me falar primeiro sobre dois pequenos investimentos não-acionários que fiz muito tempo atrás. Apesar de não influenciarem muito no meu patrimônio líquido, eles foram instrutivos. 
     
    Este caso começa em Nebraska. De 1973 a 1981, o centro-oeste passou por uma explosão nos preços das fazendas, causada por uma crença geral de que a inflação galopante estava chegando, e sendo alimentada pelas políticas de crédito dos pequenos bancos rurais. Então a bolha estourou, fazendo com que os preços das fazendas diminuíssem 50% ou mais, e devastou os fazendeiros endividados e os seus credores. Bancos de Iowa e Nebraska quebraram em um número cinco vezes maior do que a da Grande Recessão. 
     
    Em 1986, eu comprei uma fazenda de 400 acres, localizada a 50 milhas ao norte de Omaha. Ela me custou $280.000 — consideravelmente menos do que o valor financiado pelo banco para o fazendeiro alguns anos antes. Eu não sabia nada sobre fazenda, mas eu tenho um filho que adora, e eu aprendi com ele quanto de milho e soja a fazenda iria produzir e quais seriam as despesas. A partir destas estimativas, eu calculei que o retorno esperado daquela fazenda seria próximo de 10% ao ano. Eu também imaginava que esta produtividade iria aumentar ao longo do tempo, e que o preço da colheita aumentaria também. As duas expectativas se provaram corretas. 
     
    Eu não precisei de nenhum conhecimento extraordinário para concluir que aquele investimento não teria espaço para desvalorizar, e potencialmente teria uma valorização substancial. Teria, é claro, colheitas ruins às vezes, e os preços poderiam me desapontar também. Mas e daí? Teriam bons anos também, e eu nunca estaria sob pressão para vender a propriedade. 
     
    Agora, 28 anos depois, a fazenda triplicou o seu lucro e vale cinco vezes ou mais o que paguei. Eu continuo não entendendo nada sobre fazenda e recentemente apenas fiz a minha segunda visita… 
     
    Em 1993, eu fiz outro pequeno investimento. Larry Silverstein, dono da Solomon quando eu era o CEO da empresa, me contou sobre uma propriedade em Nova Iorque, adjacente a Universidade de Nova Iorque, que a empresa Resolution Trust Corp. estava vendendo. De novo, a bolha havia estourado – desta vez envolvendo imóveis comerciais – e a RTC tinha sido criada para desfazer dos ativos das instituições que quebraram concedendo os empréstimos que alimentaram grande insensatez. 
     
    Aqui também, a análise foi simples. Assim como foi no caso da fazenda, o rendimento do imóvel estimado na época era de 10%. Mas a propriedade foi mal administrada pela RTC, e o seu aluguel iria aumentar quando todos aqueles imóveis vagos fossem alugados. Ainda mais importante, o maior inquilino – que ocupava aproximadamente 20% do espaço – estava pagando perto de 5$ por square feet (medida americana onde 1 m² = 10,76 square feet), enquanto outros inquilinos pagavam uma média de $70. O vencimento deste aluguel barato em um prazo de nove anos, dava a certeza que haveria um bom acréscimo na renda posteriormente. A localização do imóvel também era esplêndida. A Universidade de Nova Iorque nunca sairia dali… 
     
    Eu fiz uma pequena sociedade – incluindo Larry e meu amigo Fred Rose – para comprar aquele imóvel. Fred tinha experiência, um investidor de imóveis de alto nível, e ele iria administrar a propriedade com sua família. E então o fez. Assim que os aluguéis antigos iam vencendo, a renda triplicava. As distribuições anuais agora excedem 35% do valor inicial que investimos. E mais, nossa hipoteca original foi refinanciada em 1996, e novamente em 1999, proporcionando distribuições extras de mais que 150% do valor que nós investimos. Eu ainda tenho que ver o imóvel. 
     
    A renda vinda da fazenda e do imóvel comercial provavelmente irão aumentar ao longo das décadas. Apesar de os ganhos não serem impressionantes, estes dois investimentos serão sólidos e satisfatórios por toda a minha vida, e depois, para meus filhos e netos. 
     
    Eu contei este caso para ilustrar certos fundamentos de investimento: 
     
        Você não precisa ser expert para atingir resultados satisfatórios. Mas se você não é, você deve reconhecer as suas limitações e seguir uma metodologia certa que funciona relativamente bem. Mantenha as coisas simples e não tente coisas extravagantes. Quando te prometerem lucros rápidos, responda com um rápido “não”. 
     
        Foque na produtividade futura do ativo que você está considerando investir. Se você não estiver confortável em estipular uma estimativa de retorno, esqueça e procure outro. Ninguém tem a habilidade de avaliar todas as oportunidades de investimento. Mas onisciência não é necessária, você só precisa entender as ações que está tomando. 
     
        Se você estiver focado na perspectiva de mudança do preço de um investimento, você está especulando. Não há nada impróprio nisso. Eu sei, entretanto, que eu não sou capaz de especular, e eu sou cético em relação aqueles que dizem que mantém um sucesso constante fazendo isso. Metade de todos os lançadores de moedas irão ganhar o cara-e-coroa; nenhum destes vencedores tem uma expectativa de lucro se ele continuar jogando este jogo. E o fato de que aquele ativo se valorizou em um passado recente nunca é motivo para comprá-lo. 
     
        Com os meus dois pequenos investimentos, eu pensei apenas no que eles iriam produzir, e não me preocupei nada sobre os seus valores diários. Os jogos são vencidos pelos jogadores focados no campo – não por aqueles que mantém os olhos grudados no placar. Se você pode aproveitar os sábados e domingos sem olhar o preço de suas ações, tente fazer isso no meio de semana. 
     
        Formar opiniões macroeconômicas ou ouvir previsões macroeconômicas ou mercadológicas de outros é perda de tempo. Além disso, é perigoso porque isso pode prejudicar a sua visão para os fatos que são verdadeiramente importantes. (Quando eu ouço os comentadores de TV dando opiniões seguras sobre o que o mercado fará no futuro, eu lembro de um comentário do Mickey Mantle (jogador de beisebol americano): “Você não sabe o quão fácil está o jogo até entrar na cabine de transmissão.”) 
     
    Minha duas compras foram feitas em 1986 e 1993. O que a economia, taxa de juros, ou a bolsa de valores poderia fazer nos anos seguintes – 1987 e 1994 – não tinha nenhuma importância para eu determinar o sucesso daqueles investimentos. Eu não consigo me lembrar o que as manchetes ou especialistas falavam naquela época. Qualquer que seja a fofoca, o milho continuaria crescendo em Nebraska e estudantes continuaram chegando na Universidade de Nova Iorque. 
     
    Existe uma maior diferença entre meus dois pequenos investimentos e o investimento em ações. As ações promovem uma avaliação de minuto-em-minuto para seu portfólio, enquanto eu ainda não vi nenhuma avaliação da minha fazenda ou do imóvel de Nova Iorque. 
     
    Isso deveria ser uma enorme vantagem para os investidores de ações, ter toda aquela flutuação louca na avaliação de seu portfólio – e para alguns investidores, é de fato. Afinal de contas, se um vizinho impulsivo fosse para perto da cerca gritar o preço todos os dias para mim, nos quais ele compraria a minha fazenda ou vendesse a dele – e estes preços variassem loucamente em períodos curtos de tempo dependendo de seu estado mental – como eu poderia estar de outra forma, se não beneficiado por seu comportamento instável? Se o seu grito do dia estivesse ridiculamente baixo, e eu tivesse dinheiro sobrando, eu compraria a sua fazenda. Se o número fosse absurdamente alto, eu poderia vender para ele, ou simplesmente continuar trabalhando. 
     
    Donos de ações, entretanto, frequentemente deixam o inconstante e irracional comportamento dos outros proprietários causarem em si um comportamento irracional também. Porque há muita falação sobre mercados, economias, taxa de juros, comportamento do preço das ações, etc., alguns investidores acham que é importante ouvir especialistas – e, pior ainda, importante considerar agir de acordo com seus comentários. 
     
    Aquelas pessoas que podem se manter quietas por décadas quando eles possuem uma fazenda ou apartamento frequentemente se tornam frenéticas quando são expostas a um fluxo de cotação de ações e comentadores que mandam mensagens implícitas de “Não fique parado – faça algo”. Para estes investidores, liquidez é transformada do que seria um benefício incalculável, para uma maldição. 
     
    Uma “quebra rápida” ou algo extremo na flutuação do mercado não pode prejudicar um investidor mais do que um vizinho falador desequilibrado pode prejudicar o meu investimento na fazenda. 
     
    Além disso, quedas no mercado podem ser favorável ao verdadeiro investidor se ele tiver dinheiro disponível quando os preços se afastam dos valores. Um clima de medo é seu amigo quando você está investindo; um mundo eufórico é seu inimigo. 
     
    Durante o pânico financeiro que ocorreu no fim de 2008, eu nunca pensei em vender a minha fazenda ou o imóvel de Nova Iorque, mesmo com a recessão chegando claramente. E se eu tivesse 100% de um negócio sólido com boas perspectivas no longo prazo, eu seria tolo até mesmo por considerar vendê-lo. Então porque eu deveria vender as minhas ações que são pequenas participações em um negócio maravilhoso? É verdade que alguns deles podem eventualmente me desapontar, mas como um grupo eles certamente irão bem. Alguém realmente poderia acreditar que a terra iria engolir os ativos incrivelmente produtivos, e o ilimitado talento humano existente na América? 
     
    Quando Charlie Munger e eu compramos ações – nas quais pensamos serem pequenas porções de negócios – nossas análises são bem similares aquelas que usamos para comprar empresas inteiras. Primeiro temos que decidir se nós podemos estimar sensatamente os lucros em um prazo de cinco anos ou mais. Se a resposta é sim, nós iremos comprar a ação (ou a empresa) se ela estiver sendo vendida a preços razoáveis em relação a estimativa mais baixa que fizermos. Se, entretanto, nos faltar habilidade para estimar lucros futuros – o que normalmente é o caso – nós simplesmente mudamos para outros objetivos. Nos 54 anos que estamos trabalhando juntos, nós nunca deixamos passar uma compra atraente por causa de macro ou ambiente político, ou a visão de outras pessoas. Na verdade, estes assuntos nunca vem à tona quando tomamos decisões. 
     
    É vital, entretanto, que nós reconhecemos o perímetro de nosso “círculo de competência” e fique bem dentro dele. Mesmo que venhamos a cometer erros com ações e empresas, eles não serão os desastres que ocorrem, por exemplo, quando um longo mercado de alta induz compras que são baseadas no comportamento de antecipação do preço e desejo de estar onde a ação popular está. 
     
    A maioria dos investidores, é claro, não fizeram o estudo de fundamentos como prioridade em suas vidas. Se eles forem sábios, irão concluir que eles não sabem o suficiente sobre negócios específicos para estipular o seu potencial de lucros futuros. 
     
    Eu tenho boas notícias para estes não-profissionais: O investidor típico não precisa desta habilidade. No total, as empresas Americanas tem se saído muito bem ao longo do tempo e continuarão se saindo (porém, com certeza, aos trancos e barrancos imprevisíveis). No século 20, o Dow Jones Industrial Index avançou de 66 para 11.497, pagando um fluxo crescente de dividendos para completar. O século 21 irá testemunhar novos ganhos, com certeza substanciais. O objetivo deste não-profissional não deve ser escolher as vencedoras – nem ele, nem seus “ajudantes” podem fazer isto – mas ao invés disso ele deve possuir uma sessão de negócios que juntos devem se sair bem. Um fundo de baixo custo do S&P index fund deve alcançar este objetivo. 
     
    Isso é o “no quê” investir para os não-profissionais. O “quando” também é importante. O maior perigo é que o tímido ou inexperiente investidor entre no mercado em uma época de extrema exuberância e então se desiluda quando as perdas ocorrerem. (Lembre-se da observação do Barton Bigg’s: “O bull market é como o sexo. A melhor sensação é logo antes de acabar.”) O antídoto para este tipo de contratempo é o investidor acumular ações por um longo período e nunca vender quando as notícias forem ruins e as ações estiverem baixas. Seguindo estas regras, o investidor “sabe-nada” que diversifica e mantém os seus custos baixos irá quase certamente ter resultados satisfatórios. Além disso, o investidor amador que é realista sobre as suas limitações tem maior chance de ter melhores resultados no longo prazo do que o profissional experiente que é cego até mesmo para uma fraqueza sua. 
     
    Se “investidores” comprarem e venderem freneticamente fazendas para outros, nem os rendimentos nem o preço da colheita irá aumentar. A única consequência deste tipo de comportamento será decrescer a média de ganhos obtidos pela população de fazendeiros porque os custos ocasionados pelas consultorias e corretagens nas transferências de fazendas seriam substanciais. 
     
    Além disso, todos os indivíduos e instituições seriam constantemente estimulados a manterem as atividades por aqueles que lucram com ela. O resultado dos custos extras podem ser enormes e, para os investidores também. Então ignore a falação, mantenha seus custos mínimos, e invista em ações assim como você investiria em uma fazenda. 
     
    Meu dinheiro, eu devo acrescentar, acompanha o que eu falo: O que eu aconselhei aqui é essencialmente idêntico ao que pus no meu inventário. O inventário determina que o dinheiro será entregue a um administrador de confiança para benefício de minha esposa. (Eu escrevo sobre meu dinheiro particular no espólio, porque todas as minhas ações da Berkshire Hathaway (BRKA) serão totalmente distribuídas para certas organizações filantrópicas ao longo de 10 anos após o fechamento de meu testamento.) 
     
    Meu conselho para o administrador não pode ser mais simples: Coloque 10% do dinheiro em títulos do governo de curto prazo e 90% e um fundo S&P de baixo custo. (Eu sugeri Vanguard’s (VFINX)). Eu acredito que o retorno de longo prazo desta metodologia será superior à aqueles praticados pela maioria dos investidores – até mesmo que fundos de pensão, instituições ou indivíduos – que pagam administradores com altos salários. 
     
    E agora voltemos para Ben Graham. Eu aprendi a maior parte dos pensamentos deste texto do livro: “O Investidor Inteligente”, que eu comprei em 1949. Minha vida financeira mudou com aquela compra. 
     
    Antes de ler o livro de Ben, eu tinha analisado o cenário de investimento, devorando tudo que estava escrito sobre este assunto. A maior parte do que eu li me fascinou: Eu tentei usar gráficos, e índices de mercado para prever o movimento das ações. Eu sentava no escritório de corretagem vendo a fita rolar, e ouvindo os comentadores. Tudo isso foi divertido, mas não conseguia tirar aquele sentimento que eu não estava chegando a nenhum lugar. 
     
    Em contraste, as idéias de Ben eram explicadas logicamente de forma elegante e fácil de entender (sem letras Gregas ou fórmulas complicadas). Para mim, os pontos-chave foram dispostos em capítulos onde nas edições mais novas são os capítulos 8 e 10. Estes pontos guiaram minhas decisões de investimento de hoje. 
     
    Algumas observações sobre o livro: Edições posteriores incluía um posfácio descrevendo um investimento sem nome que foi uma maravilha para o Ben. Tendo feito a compra em 1948 quando ele estava escrevendo a primeira edição e – pasme – a companhia misteriosa era a Geico. Se o Ben não tivesse reconhecido as qualidades especiais da Geico quando ela ainda estava na infância, meu futuro seria bem diferente na Berkshire. 
     
    A edição de 1949 do livro também recomendou uma ação ferroviária que estava sendo vendida a $17 e lucrando quase $10 por ação. (Uma das razões que admirei Ben era a sua coragem para usar exemplos reais, abrindo portas para chacotas se ele falhasse). Em parte, aquela baixa avaliação resultou de uma regra contábil daquela época que exigia que a ferroviária excluísse de sua demonstração de lucros, o lucro substancial retido de suas subsidiárias. 
     
    A ação recomendava era a Northern Pacific, e a sua subsidiária mais importante era Chicago, Burlington & Quincy. Estas ferrovias são agora partes importantes da BNSF (Burlington Northern Santa Fe), na qual hoje pertence a Berkshire. Quando eu li o livro, Northern Pacific tinha um valor de mercado próximo de $40 milhões. Agora a sua sucessora (tendo feito investimento em muitas propriedades, é claro) lucra este valor a cada 4 dias. 
     
    Eu não me lembro quando eu paguei pela primeira cópia de “O Investidor Inteligente”. Qualquer que seja o custo, ele ressalta a verdade do adágio de Ben: Preço é o que você paga; valor é o que você leva. De todos os investimentos que eu fiz, comprar o livro de Ben foi o melhor investimento (tirando, é claro, as certidões dos meus dois casamentos).

      Carlão_A, JX, shi, Turco, Flávio Pontes, Safo, Zeca_Filho, Buloto, Nícolas, neilorp, José, Rafael Melo, Luiz_Alvim, Vagner, Igor Drago, Diego, Rafa M curtiram isto.



    6  
    Buloto   4 out 2016  

    PREVIDÊNCIA PRIVADA

    Flavio, vou te falar da minha experiência com previdência privada. 
    Tenho desde 2005, e aportava do mesmo jeito que você faz, mas parei em 2015 por perceber que os rendimentos não compensavam os valores aportados.  
    Para vc ter idéia, peguei um extrato detalhado e apenas as contribuições de 2005 eu tenho algum lucro, que é irrisório contando a inflaçao do períodio. 
    Por exemplo, havia aportado 500 reais em maio de 2015, com o rendimento e a alíquota regressiva do IR (10%), ... Ver mais sacaria algo em torno de 650 reais. Para os aportes atuais, se fossem no mesmo valor, devido a alíquota alta do IR, receberia em torno de 350 reais.  
    Isso porque a facada do IR incide no PRINCIPAL e nos RENDIMENTOS também. 
    Ou seja, não vale a pena. 
    No meu caso, parei de aportar e vou cozinhando um tempo para sacar com a menor alíquota de imposto possível.

      Nícolas, Fernando_Klem, Leitão, Turco, Diego, Juninho curtiram isto.



    5  
    Igor Drago   10 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE... - VALE5

    Fala galera, 
     
    Ando sumido do buteco. Mudanças no trabalho, novos desafios estão me deixando sem muito tempo livre por enquanto. Deve melhorar assim que as coisas estabilizarem. 
     
    Enfim, gostaria de compartilhar duas decisões sobre a minha carteira de IG e ver se a análise bate com a de vocês. 
     
    Em outubro seria mês de comprar VALE5 e ETER3 na minha carteira. 
     
    A VALE5 já estava com cartão amarelo faz um ano, e como continuou dando ... Ver mais prejuízos nos seus balanços, resolvi dar cartão vermelho. Muito já foi debatido sobre a VALE5 no buteco, sobre como sua gestão é boa, como ela é competitiva no seu mercado, e como os resultados ruins são frutos da queda nos preços do ferro. Na hora de tomar decisões como essa devemos deixar de lado os porquês e analisar friamente os resultados. Por isso tomei essa decisão. 
     
    Já ETER3 vinha com queda nos lucros e começou a dar prejuízo agora. Cartão amarelo pra ela, vou aguardar por melhoras até o ano que vem. 
     
    De todas as 19 ações da minha carteira atualmente são as únicas que me dão dor de cabeça. O resto do time vai muito bem, obrigado. 
     
    Abraços!

      JX, Luiz_Alvim, André_Tafner, Diego, Juninho curtiram isto.



    4  
    Turco   10 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE... - VALE5

    Igor,   
     
        
    Só duas? Que beleza Igor!   
    Também estou com VALE e ETERNIT no AMARELO aguardando melhor oportunidade para mandar pro "chuveiro". Como perdi o "time" para o VERMELHO, hoje a perda seria de 50%.   
    Na mesma situação estão CEMIG e NATURA.  
     
    Tá parecendo que o Buteco saiu de férias junto com o Mestre. 

      Luiz_Alvim, Igor Drago, André_Tafner, Diego curtiram isto.



    4  
    JX   11 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE...

    Bom dia colegas, 
     
    Estou na mesma situação do Turco, com VALE / ETER/ CEMIG/ NATU mas tomei decisões diferentes. 
    Ainda tenho POMO no meu tendão de Aquiles...hehehe. Meus ciclos são de 4/4 meses 
     
    Com Natura e Vale ainda fiz compras graduais apesar dos resultados sofríveis...Natura tem se segurado nas vendas no exterior, minha última compra foi setembro/2016; e Vale sofrendo com toda essa conjuntura, ainda resolvi insistir, minha próxima compra será em ... Ver mais Novembro/2016.  
     
    Já ETER parei de comprar, a última compra foi em Março/2016, no mês de julho que seria a vez dela optei por distribuir um pouco para PSSA e LEVE que entraram na carteira depois. 
     
    E por último CMIG, comprei a última vez em Abril/2016. Em Agosto/2016 distribui para MDIA e UGPA o dinheiro q seria colocado em CMIG. 
     
    Ia esquecendo a POMO, essa já parei de comprar desde Janeiro/2016. 
     
    Minha carteira ainda não está madura, completará 4 anos agora em outubro/2016. Vou seguindo com o time com 18 ativos com compras regulares, conforme o q aprendi com Leitão nos cursos. Já tive momentos que bateu aquele desânimo, mas aí passo uns meses sem acompanhar cotações e resultados trimestrais e deixo para ver balanço anual...hehe.  
     
    Estou conseguindo manter os aportes constantes mês a mês e vamos em frente! 
     
    Abraço, 
     
    JX 
     

      Turco, Luiz_Alvim, André_Tafner, Diego curtiram isto.



    6  
    Bruno Bartolomasi   11 out 2016  

    CONSELHO DE WARREN BUFFETT AOS PEQUENOS ...

    Olá Luiz, 
     
    Existe um livro que reúne todas as cartas de 1965 até 2014, chamado "Berkshire Hathaway Letters to Shareholders", não conheço uma versão em português, mas a versão original pode ser encontrada aqui: http://www.amazon.co(...) 
     
    Além ... Ver mais disso, quem tiver paciência, pode pegar gratuitamente uma por uma aqui: http://www.berkshire(...) 
     
    No link da Berkshire não tem todas, começa em 1977 e vai até 2015. 
     
    Abraço!

      Zeca_Filho, Luiz_Alvim, Leitão, José, guilherme ritton, Juninho curtiram isto.



    9  
    Luiz_Alvim   12 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE... - VALE5

    Olá Igor Drago, 
     
    Bem-vindo de volta à ativa. Suas contribuições aqui são sempre muito importantes. 
     
    Eu sou adepto da prática de se fazer uma gestão bem ativa da carteira. Procuro acompanhar o melhor possível as minhas empresas, para verificar se elas continuam atendendo os meus critérios de seleção. Se uma empresa começa a sair dos trilhos, procuro entender os motivos para avaliar se é um problema eventual, que possa ser superado no médio prazo, ou se é uma questão ... Ver mais mais estrutural com maiores dificuldades de recuperação. Prever o futuro é impossível, mas procurar entender as ações que os gestores de uma empresa estão tomando para sanar dificuldades eventuais eu acho viável. Minha carteira está próxima de completar cinco anos e até o momento já promovi 12 exclusões no time, sendo 10 cartões vermelhos, uma por ter fechado o capital (REDECARD) e uma por ter sido comprada (CETIP p/ BVM&F).  
     
    Com relação à VALE, ela continua firme na minha carteira e venho fazendo as compras normalmente. Das 21 empresas que estão atualmente na minha carteira, ela é a única que apresenta desempenho negativo. Apesar de todas as dificuldades, que não são poucas, pensando no médio e longo prazo, eu vejo a empresa de forma positiva. Gosto muito da atual gestão, que tem feito um excelente trabalho de redução de custos/despesas e redução da dívida através da venda de ativos considerados não prioritários. A VALE é uma empresa de commodities, e, como tal, não tem o menor controle sobre o preço dos seus produtos. Como o seu negócio é cíclico, o que ela pode fazer, e está fazendo, é procurar ajustar a sua estrutura de custos para se tornar mais competitiva. Neste ano de 2016 ela até está indo razoavelmente bem, mas longe ainda daqueles anos gloriosos em que a demanda de minério de ferro por parte da China era maior do que a oferta global. Se estes anos vão voltar, eu não sei dizer, mas o que estou vendo é que a empresa está caminhando célere para ser mais competitiva mesmo nos períodos de cotações mais baixas dos seus produtos. O projeto S11D em Carajás, que entra em produção em 2017, é o fator chave de sucesso para que ela alcance este patamar. Vamos ver o que acontece nos próximos dois ou três anos. 
     
    Turco e JX, 
     
    Das empresas que vocês citaram, CEMIG, ETER e POMO já sairam da minha carteira faz um bom tempo, por razões que já expliquei aqui na época. Mas, NATU é um caso diferente. Eu já tinha estudado esta empresa no início do meu IG, mas não me animei a entrar. Porém, no segundo semestre do ano passado (2015) eu voltei a estuda-la e decidi me tornar sócio. Parece até um pouco engraçado, mas ao mesmo tempo em que vocês estão pensando em sair da empresa, eu tenho uma visão bem positiva sobre ela. NATU tem crescido bastante nas suas operações internacionais e vem executando um plano de recuperação de suas vendas no mercado interno, que ainda é o mais significativo para ela. Se eu fosse olhar apenas os indicadores de desempenho dos últimos anos, provavelmente ela não seria escolhida, mas achei que deveria considerar estas outras variáveis também.     
     
    Grande abraço, 
    Luiz Alvim 
     

      Turco, Carlão_A, JX, Zeca_Filho, Leitão, Leopoldo, Pietro, André_Tafner, Diego curtiram isto.



    4  
    Turco   12 out 2016  

    CORRETORAS

    Gabriel,  
     
    Abaixo alguns links do BUTECO que poderão ajudá-lo.  
    Corretora para mim continua sendo apenas um intermediário obrigatório para operar na   
    Bolsa e no Tesouro Direto.  
    Outros investimentos, principalmente em Renda Fixa, só faço no BB, Bradesco e Itaú.  
    Este negócio de não cobrar taxa para TD é chamariz para abertura de conta. Depois começam a "encher o pacová"   
    para usar outros serviços, principalmente ... Ver mais a XP através de agentes autonomos por ela credenciados.  
    Desde fevereiro deste ano opero pela SOCOPA para onde transferi minha carteira depois que a TOV sofreu intervenção do Banco Central, e estou satisfeito com o atendimento.   
     
    http://leitaoemacao.(...)  
     
    http://leitaoemacao.(...)  
     
    http://leitaoemacao.(...)

      Bruno Bartolomasi, Leitão, Gabriel, Diego curtiram isto.



    4  
    Bruno Bartolomasi   12 out 2016  

    CORRETORAS

    Olá Gabriel, 
     
    Complementando o que o Turco falou, não existe almoço grátis, as corretoras são empresas e precisam de lucro para continuar vivas, logo, essa história de não cobrar taxa não é tão verdade assim, explico: 
     
    Já ouviu falar do "spread bancário"? É uma das maiores fontes de renda dos bancos, basicamente é a diferença entre o juros que o banco te paga e o juros que ele recebe quando usa teu dinheiro. As corretoras (a primeira, se não me engano, foi a ... Ver mais Easynvest) estão trabalhando de forma semelhante para atrair os clientes. Funciona, resumidamente, da seguinte forma: Um banco X vai lançar 10 milhões em um CDB que paga 110% do CDI. A corretora compra esses 10 milhões e vende pela aplicação mínima de 10 mil com taxa de 105% do CDI, essa diferença é o lucro da corretora, é o spread que ela está cobrando. Antes elas não estavam fazendo isso (ou faziam com menor spread), colocavam a taxa ali para todos verem, agora eles tiraram a taxa aberta e cobram um spread maior. 
     
    Que eu saiba, as corretoras que cobram taxa zero no TD cobram zero mesmo, porque, até onde eu sei, não tem como fazer isso com títulos públicos, aí sim, como disse o Turco, eles fazem isso para atrair o cliente pois sabem que ele vai acabar aplicando em outras coisas além do TD e é de onde as corretoras tirarão o lucro. 
     
    Abraço

      Leitão, Turco, Gabriel, Carlão_A curtiram isto.



    5  
    Luiz_Alvim   12 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE... - VALE5

    Olá JX, 
     
    Ficou claro para mim sim amigo.  
    Uma das vantagens de se manter as compras quando a empresa apresenta algum problema é que geralmente o mercado derruba a cotação das ações e com isto podemos comprar a preços excelentes, melhorando o nosso preço médio. Em janeiro deste ano, por exemplo, cheguei a fazer uma compra de VALE5 a R$ 7,90.  
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Leitão, Turco, JX, Pietro, Rafael Melo curtiram isto.



    3  
    Igor Drago   13 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE...

    Obrigado pelas respostas de todos, pessoal. 
     
    Nas minhas decisões sobre cartões uso o critério principal ensinado pelo professor: o lucro líquido. 
     
    Mesmo sabendo de todos os prós e pontos fortes da VALE, muito bem colocados pelo Luiz_Alvim, resolvi dar cartão vermelho por serem vários trimestres consecutivos de prejuízo, mesmo depois de ter dado cartão amarelo. Prejuízo de -26% neste papel (já chegou a ultrapassar -40% meses atrás). 
     
    A Eternit ... Ver mais está começou a dar prejuízo anualizado (Fundamentus) somente nesse ano, por isso está com cartão amarelo, e pode virar vermelho se não mostrar reação nos próximos balanços. Ela está com -38% na minha carteira. Única atualmente no vermelho junto com Valid, depois da saída da Vale. 
     
    Para a Cemig eu já tinha dado cartão vermelho em janeiro de 2014, após a eleição do PT em Minas. Razões estritamente políticas. 
     
    Já a Natura, vem apresentando resultados declinantes, porém ainda não apresentou prejuízo em nenhum período, por isso mantive as compras normais. Mesmo caso da Marcopolo. Essas duas estão com resultado positivo na minha carteira.

      André_Tafner, Rafael Melo, Turco curtiram isto.



    3  
    renan   14 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE...

    Boa noite galera,  
     
    tambem tenho a maioria das empresas citadas e trabalho de uma forma diferente. acho pouco tempo (1 ou 2 anos) de resultados ruins para decidir cartao amarelo ou vermelho. meu ig esta completando 3 anos e ainda nao dei nenhum cartao para as empresas selecionadas.  
     
    confesso que as vezes me da vontade e penso se estou no caminho certo, mas meu objetivo é de longo prazo (30 anos), prefiro dar mais tempo para elas. 
     
    vamos acompanhando ... Ver mais e comparando resultados. essa é a grande ferramenta do buteco. 
     
    abraços

      Luiz_Alvim, Turco, André_Tafner curtiram isto.



    7  
    Capt. Gottlieb   15 out 2016  

    PETROBRAS - PORQUE DEIXEI DE SER SÓCIO - PETR4

    A Petrobras é mesmo uma empresa sui generis (para usar de eufemismo) e o maior motivo é o seu tamanho, sua grande importância e principalmente o seu acionista controlador. Em Fevereiro deste ano chegou a PETR4 chegou a valer R$ 4,50!!!!!! 
    Com a implosão do governo incompetente e corrupto agora ultrapassa R$ 16,00. Quem comprou a preço de banana pode vender agora e ficar muito feliz. Quem vendeu com a manada certamente está arrependido e chateado. Porém falar é fácil, mas fazer é difícil. ... Ver mais Em Fevereiro deste ano o governo corrupto agonizava, derretia e ameaçava a levar a empresa (e a nação) para o abismo. Então quem de nós vendo os fundamentos da empresa tão ruins teria ânimo para acreditar na petroleira, comprar suas ações e esperar por dias melhores? Para complicar quase toda semana mais empresários eram acusados e muitos até encarcerados. Políticos corruptos eram acusados, mas até agora nenhum foi efetivamente preso.  
    Com a nova administração a empresa está voltando a ter alguma credibilidade e na avaliação do mercado a Petrobras está melhorando (lentamente). Eu não me desfiz das minhas ações, tampouco tive ousadia de comprar quando estava no fundo do poço. Será que fui pusilânime, néscio ou incompetente? Creio que não. Agi apenas com prudência, não torrando minhas ações no fundo do poço, mas também não apostando numa empresa tão problemática e cuja recuperação efetiva talvez não aconteça no curto e médio prazo.

      Luiz_Alvim, Zeca_Filho, José, Pietro, Leitão, Igor Drago, Diego curtiram isto.



    7  
    Luiz_Alvim   15 out 2016  

    CARTÕES VERMELHO E AMARELO PARA A CARTE...

    Olá Renan, 
     
    Você levantou um ponto interessante nesta discussão, que é o prazo que você definiu para o seu IG (30 anos). Concordo que é uma variável a ser considerada também e que, para prazos maiores, é compreensível que se possa ter um pouco mais de paciência com as empresas. No meu caso, como a minha meta é para ser alcançada em 10 anos, em função da minha idade mais avançada, eu preciso ficar mais atento com as minhas queridinhas. Mas, de qualquer forma, eu penso que o mais ... Ver mais importante é avaliarmos periodicamente se a empresa continua atendendo os nossos critérios de seleção. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Zeca_Filho, José, Leitão, Turco, renan, André_Tafner, Rafael Melo curtiram isto.



    6  
    Luiz_Alvim   16 out 2016  

    PETROBRAS - PORQUE DEIXEI DE SER SÓCIO - PETR4

    Olá Capt. Gottlieb e demais amigos do Buteco, 
     
    Eu deixei de ser sócio da PETR em fevereiro de 2014 pelos motivos que expliquei no post que deu origem a este tópico. Na época, as cotações giravam em torno de R$ 15, mas isto não influenciou em nada a minha decisão. Quando se trata de aplicar um cartão amarelo ou vermelho, o importante para mim é avaliar se a empresa continua cumprindo os meus critérios ou não.  
     
    A entrada de Pedro Parente para comandar a PETR foi ... Ver mais muito positiva, pois ele é reconhecidamente um gestor de excelente competência e está fazendo um ótimo trabalho. É claro que que para que o trabalho dele reflita nos fundamentos da empresa ainda deve levar algum tempo, pois trata-se de um desafio gigantesco. Mas, o mercado trabalha muito mais com expectativas do que com fatos concretos e, por isto, as cotações se recuperaram muito rapidamente.  
     
    Mantida a atual gestão, no longo prazo eu acredito que a empresa possa se recuperar, mas, no meu caso, não pretendo coloca-la novamente na minha carteira, pois não invisto mais em empresas estatais. Nada impede que numa futura troca de governo quem estiver entrando decida utilizar a empresa novamente para fins políticos. A única chance de eu voltar a ser sócio da PETR é se ela for privatizada, o que tenho poucas esperanças de que possa acontecer. 
     
    Uma coisa boa que o Parente está fazendo é vender alguns ativos da empresa para pagar parte da dívida, que é enorme. Na última sexta-feira, após o fechamento do mercado, a ULTRAPAR divulgou fato relevante para comunicar que o processo de compra da LIQUIGAS (controlada pela PETR) pela ULTRAGAZ está bastante avançado. Torço muito para que isto aconteça, pois estou certo de que sob a gestão da UGPA a LIQUIGAS pode contribuir bastante para aumentar os resultados de sua nova controladora. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Pietro, Capt. Gottlieb, José, Igor Drago, Raphaelfrf, Diego curtiram isto.



    4  
    Luiz_Alvim   17 out 2016  

    ALPARGATAS: O QUE DIZER DELA?

    Olá Pietro, 
     
    Tenho ALPA4 na minha carteira desde o início do meu IG (2012), mas recentemente decidi deixar de ser sócio dela. São dois os fatores principais que me levaram a esta decisão: o primeiro foi a troca de controle que aconteceu na empresa no final de 2015. A Camargo Correa, antigo controlador, vendeu suas ações para o grupo J&F, o mesmo pessoal que controla a JBS (Friboi). Embora a gestão da ALPA seja profissionalizada e permaneça a mesma (Marcio Utsch continua sendo ... Ver mais o Presidente), esta troca de controlador não me agradou. Não me sinto muito confortável com este pessoal da J&F no controle. É uma pena, pois considero a ALPA uma boa empresa. O segundo motivo é que pretendo reduzir a quantidade de empresas da minha carteira para 20. Meu pensamento já era fazer isto quando completasse 5 anos de IG. Como isto está muito próximo de acontecer, aproveitei a oportunidade para sair de ALPA e agora vou ficar com 21 empresas. Ainda vai ficar faltando escolher uma para ficar com 20, mas não tenho pressa para fazer isto. Para evitar o IR, fiz uma venda no início de outubro e venderei o restante no próximo mês. 
     
    Respondendo a sua pergunta, em minha opinião, esta OPA recentemente finalizada não vai influenciar em nada a empresa. Ela foi apenas o cumprimento de uma exigência legal, pois os novos controladores são obrigados a oferecer aos minoritários que possuem ALPA3 a opção de comprar suas ações pelo mesmo preço pago para a Camargo Correa. Isto vale apenas para ALPA3, que tem “tag along”. Para ALPA4 não vale. Existe um compromisso formal do novo dono da ALPA de manter o capital aberto pelo menos por 12 meses após a aquisição. Mas, mesmo que eles decidam fechar o capital da empresa depois deste prazo, não vejo isto como um grande problema. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 
     
     

      Zeca_Filho, Pietro, Turco, aresno curtiram isto.



    3  
    Turco   17 out 2016  

    ALPARGATAS: O QUE DIZER DELA?

    Pietro, 
     
    Tenho ALPA 3, que tem tag along de 80 %, desde maio de 2014 quando resolvi ampliar minha carteira de 12 para 20 ações. 
    Entendo que ficarão ainda menos líquidas, já que  o "free float" caiu de aproximadamente 34 para 14%. 
    Mesmo assim a mantive em minha carteira. 

      Leitão, Pietro, Luiz_Alvim curtiram isto.



    10  
    Capt. Gottlieb   17 out 2016  

    PETROBRAS - PORQUE DEIXEI DE SER SÓCIO - PETR4

    Um conhecido meu pegou dinheiro do fundo de garantia, ainda no governo lula e comprou tudo em ações PETR4. Ele é bancário, em fim de carreira e a meu ver fez uma grande burrada. Acho que ele tem mais de 30.000 PETR4 e quase nada de outras empresas.  
    Acredito que gerente de banco está para Bolsa de Valores assim como coroinha está para padre!  
    Sempre que me encontra pede uma dica para as ações da Petrobras. Até parece que eu, um mero velhote aposentado teria poder de consertar ... Ver mais isto! Mas também este senhor não está em condições de se desfazer das ações, pois comprou a PETR4 na faixa de R$ 40,00! Se vender agora vai amargar imenso prejuízo. Ele me diz que não precisa do dinheiro com urgência, mas fica ansioso e até deprimido por ter feito um mau negócio.  
    Vendo este drama eu aprendi algo. É muito fácil se desfazer de uma empresa quando se tem um número relativamente pequeno de ações, por exemplo 500 a 1000 ações de alguma blue chip. Mas quem tem um número grande de ações e não for muito profissional vai ter muita dificuldade em dar cartão vermelho ou amarelo para aquela que um dia já foi uma boa empresa e agora não é mais. Alguns vão perguntar, mas por que não foi vendendo e reaplicando? A resposta é fácil. Se vencer acima de R$ 20.000,00/mês vai pagar 15% sobre o ganho de capital e além disso para se desfazer de um número grande de ações geralmente o acionista precisa negociar através da mesa de ações da corretora (e esta corretagem é cara). Não sei como os mega investidores (tubarões) fazem, mas o certo é que fazem e ganham muito. Mas nós somos apenas pessoas bem intencionadas que adquiriram um bom  conhecimento no curso do Leitão, suficiente para administrar nossa vida de sardinha.  
    Graças a DEUS os prejuízos que tive foram com poucas ações de empresas ruins, antes de fazer o curso do Leitão. Algumas blue chips que caíram muito, por causas políticas locais e externas eu comprei mais ainda no fundo do poço e hoje elas já ultrapassaram bastante o preço médio e fiquei feliz. A minha PETR4 está com preço médio de R$ 20,00 e não quero nem vender nem comprar. Vou ficar olhando a onda morrer na praia e ver como fica a espuma...

      Leitão, JX, Pietro, Fernando_Klem, Igor Drago, Ivens, MdeCarvalho, José, Diego, paulo alexandre patricio curtiram isto.



    17  
    Vladimic   19 out 2016  

    FUNDAMENTOS TOTVS - TOTS3

    Guilherme, 
     
    o que tem acontecido com o resultado da TOTVS, é que a empresa está mudando o seu formato de venda, onde antigamente era o modelo de LICENÇA de USO e está passando para o modelo de SUBSCRIÇÃO. Este ultimo é o modelo "da moda" e está sendo seguido por praticamente todos os fornecedores de software: SAP, Oracle, Salesforce, Adobe, Microsoft, etc... 
     
    Basicamente, a grande diferença é que no modelo antigo, por exemplo, para adquirir o software a empresa ... Ver mais desembolsava valores elevados (100k, 200k, 300k....) em "one-shot" e agora, na subscrição não se tem este valor na "largada", mas uma mensalidade. 
     
    Isto fez com que o resultado da empresa sofresse uma grande queda, mas, avaliando pela perpetuidade da empresa, o cenário é outro, pois garante-se uma receita recorrente de longo prazo e busca-se a fidelização do cliente. 
     
    Das nacionais, a TOTVS saiu na frente neste modelo. 
     
    Logo, considero como normal e natural este desempenho. Inclusive este é o ponto mais abordado nas reuniões de RI e sempre os analistas de mercado questionam a alta administração.  
     
    Sugiro você acompanhar a próxima reunião e ver na prática isto. 
     
    Sou acionista e continuo sendo. 
     
    Alias, não estou mais lá, mas trabalhei por 25 anos, e começo muito bem como é la por dentro. 
     
    1 abraço. 

      César, Marcelo, Leitão, Carlão_A, MARTINS, Igor Drago, Bruno Bartolomasi, Rafael_Resende, JX, FH, Guirado, Abreu, MdeCarvalho, André_Tafner, Diego, Flávio Pontes, Raul curtiram isto.



    4  
    Bruno Bartolomasi   19 out 2016  

    CORRETORAS

    Olá Gabriel, 
     
    Concordo, diminuir os custos ajudam bastante no longo prazo, entretanto, o que eu quis dizer é que o fato de estarem cobrando taxa zero não significa que é uma promoção ou que é bom para nós investidores pos essa é cuma promoção do tipo "tudo pela metade do dobro", rs. Antes as corretoras tinham uma taxa explícita para administração dos títulos que chamava de custo de intermediação. Agora, passaram a ter o spread (custo implícito) embutido nas taxas dos títulos. 
     
    Ao ... Ver mais cobrarem um spread eles estão diminuindo a tua rentabilidade, um cdb de um mesmo banco pode estar dando, por exemplo, 100% do cdi na corretora "taxa zero" e 110% do cdi na corretora que cobra uma taxinha, no final das contas, qual é mais vantajoso? Tem que fazer as contas pra saber.  
     
    Meu post não foi para desencorajar de aplicar na corretora que não cobra taxa, mas para fazer as contas e ver se a rentabilidade lá vale a pena ou não, algumas vezes não valerá, outras sim. 
     
    Um exemplo mais claro é a corretagem, assuntos de vários tópicos aqui no Buteco. Por exemplo, se a pessoa faz uma compra por mês no fracionário (IG) a Nova Futura que cobra R$1,99 de corretagem + R$10,00 de custódia é mais barata que a Rico, que cobra R$4,40 de corretagem + R$12,50 de custódia, entretanto, se a pessoa faz de 2 a 4 compras por mês, ai a Rico é mais barata mas, a partir de 5 ou mais compras por mês, a Nova Futura volta a ser mais barata... 
     
    Abraço

      Leitão, Breno., Gabriel, Diego curtiram isto.



    3  
    Luiz_Alvim   22 out 2016  

    TAEE11 OFERTA PÚBLICA DE UNITS? - TAEE11

    Olá Martin, 
     
    Esta oferta pública da TAESA já era conhecida faz algum tempo. O grupo de controle da TAESA é formado pela CEMIG e pelo fundo FIP Coliseo. Como sabemos, a CEMIG está passando por uma situação difícil, pois seu nível de endividamento é muito alto e boa parte desta dívida é de curto prazo. Para reduzir o endividamento, ela precisa vender ativos. Quando uma empresa está nesta situação, é normal que ela venda em primeiro lugar os seus ativos mais valiosos, ou seja, aqueles ... Ver mais que possuem um maior valor de mercado. Nesta OPA, que vai acontecer no dia 24/10 através de oferta restrita, os dois sócios controladores irão vender parte de suas ações, mas continuarão controlando a TAESA. Isto é um procedimento normal, e não vejo impacto para os acionistas minoritários. Na verdade, mesmo o free-float pode não ser afetado, pois é possível que quem comprar passe a integrar o grupo de controle junto com os dois sócios atuais. 
     
    Como acionista da TAESA, minha preocupação maior, neste momento, não é com esta operação, mas com o fato de que a TAESA vem investindo pouco nos últimos anos, o que pode comprometer o crescimento futuro da empresa. Como a CEMIG está em sérias dificuldades financeiras, desde o ano passado ela vem retirando praticamente todo o lucro da TAESA através do pagamento de dividendos. Apesar de eu gostar muito de dividendos, vejo esta prática com alguma preocupação, pois entendo que uma parte dos lucros precisa ser reinvestido no crescimento da empresa. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Carlão_A, Martin Bittencourt, Leitão curtiram isto.



    5  
    Rafael_Resende   25 out 2016  

    FUNDAMENTOS TOTVS - TOTS3

    Olá Guilherme, como vai? 
     
    Não sou sócio da TOTs, mas dando uma olhada, realmente a dívida da TOTS tem aumentado. Comparando o indicador (Dív Bruta/Patr. Liq) da TOTS com outras do setor como SNSL e LINX, esse indicador da TOTS é o maior das três e ainda três vezes maior que o das outras empresas. 
     
    Mas o que tem ocasionado esse aumento? As vezes uma empresa necessita de investimentos para crescer  e os recursos para isso muitas vezes vem de empréstimos. ... Ver mais Pode ser o caso da TOTS. 
     
    Mais importante do que analisarmos o aumento da dívida isoladamente é analisarmos sua capacidade de honrar esses compromissos. A contabilidade tem dois indicadores de fácil compreensão para essa análise: a Liquidez Corrente (avalia a capacidade de pagar essas dívidas nos próximos 12 meses) e a Liquidez Geral (avalia a capacidade geral da pagamento da empresa no longo prazo). 
     
    Através de uma rápida análise no site Fundamentus podemos baixar alguns dados para essa análise e verificamos que a Liquidez Corrente da TOTS até 30/06/2016 é de 1,73. Já sua liquidez Geral é de 1,04. Esses indicadores acima de 1,00 indicam capacidade de pagamento, ou seja, no caso da Liquidez Corrente para cada R$ 1,00 em obrigações nos próximos 12 meses a TOTS tem R$ 1,73 em bens e direitos para honrar as obrigações. Também, é interessante observar que a empresa já esteve em níveis bem melhores nesses indicadores, porém verifica-se que a empresa continua com a capacidade de honrar suas obrigações. Importante acompanhar a evolução desses indicadores! 
     
    Gosto também de analisar o caixa + aplicações de curto prazo da empresa e se são capazes de  honrar somente os empréstimos de curto prazo. Conforme figura anexa, tanto os valores mantidos em caixa como os valores em caixa + aplicações de curto prazo são capazes de honrar todos os empréstimos de curto prazo da TOTS (estão acima de 1,00). 
     
    Lembrando que é uma análise sumária. Precisamos aprofundar no assunto.

           

      Leitão, Carlão_A, Abreu, André_Tafner, Diego curtiram isto.



    4  
    Rafael_Resende   25 out 2016  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Boa noite caros colegas! 
     
    O Ri da Eternit respondeu meu questionamento quanto à renuncia de conselheiros alegando motivos pessoais dos renunciantes. Confesso que já esperava esta resposta. Vamos continuar acompanhando. O chato é que continuamos com a pulga atrás da orelha. O jeito mesmo é ficar de olho nos resultados e relatórios economico-financeiros da empresa. 
     
    Abaixo segue a resposta do RI: 
     
    "Prezado Sr. Rafael, 
     
    Agradecemos ... Ver mais seu contato com a Eternit. 
     
    Informamos que as renúncias dos Srs. Conselheiros ocorreram por motivos pessoais. 
     
    Ressaltamos que eles pertenciam à Conselhos distintos, sendo o Sr. Luis Terepins ao Conselho de Administração e os Srs. Victor Adler, Luiz Barsi Filho e Leonardo Deeke Boguszewski ao Conselho Consultivo. 
     
    Por se tratar o Conselho Consultivo de Órgão não deliberativo, os cargos dos conselheiros renunciantes ficarão vagos até a próxima Assembleia Geral Ordinária. 
     
    Estamos à disposição para mais informações. 
     
    Atenciosamente, 
     
    Equipe de Relações com Investidores | IR Team 
    Rua Dr. Fernandes Coelho, 85 – 8º andar 
    CEP.: 05423-040 - São Paulo – SP 
    Fone: (55 11) 3194-3881 – 3194-3872" 

      Leitão, Fernando_Klem, Igor Drago, José curtiram isto.



Edição de OUTUBRO/2016

 

 

Produzido por: http://leitaoemacao.com/buteco

Edição de OUTUBRO/2016

(Versão Beta, em teste.)

FOLHETIM