Produzido por: http://leitaoemacao.com

  Edição de MARÇO/2018

    5  
    Turco   3 mar  

    IMPOSTO DE RENDA _ DECLARAÇÃO 2018 - 20...

    Já rascunhei minha Declaração do Imposto de Renda 2018-2017. 
     
    Como postei anteriormente, em relação a RENDAS VARIÁVEIS, na prática, não houve nenhuma mudança. 
     
    No entanto, a Declaração como um todo ficou muito mais trabalhosa com a necessidade da inclusão de novos dados, principalmente na FICHA Bens e Direitos. 
     
    Aos que costumam deixar para a última hora fica o alerta. 
    E aos que recorrem a profissionais para preencher a declaração, ... Ver mais não se assustem se ficar um pouco mais caro.

      Leitão, JX, Nêgo , Silvio, Capt. Gottlieb curtiram isto.



    3  
    MOISÉS JR.   5 mar  

    RAIL3 (RUMO) - RAIL3

    Como membro do Agronegócio, digo que prefiro investir em outros setores do que no Agronegócio (como diz nosso Mestre, é um setor que um partido político pode "meter a mão" a detonar tudo! 
     
    Não obstante, ainda é um setor muito mal gerenciado. Claro que tem exceções, poucas, mas existem, como a SLC Agricola (SLCE3).

      Leitão, pguedes, Samanta Arrais curtiram isto.



    3  
    Turco   8 mar  

    ITAUSA - O QUE DIZER DELA? - ITSA4

    Olá Natália, 
     
    A quantidade a subscrever para 109 ações serão 2 ações. 
     
    No meu caso, que não alugo_por preguiça mesmo, o direito de subscrição aparece na minha carteira com o código ITSA2. 
     
    Quanto ao que seja "contrato filhote", me parece ser um regime especial de subscrição para quem tem suas ações alugadas e envolve as duas pontas _ Doador e Tomador. 
     
    Em função do valor atribuído pela ITAUSA para a subscrição, R$ 7,80 ante ... Ver mais o preço de mercado de +/- R$ 13,40, e considerando que a operação de subscrição não tem taxa de corretagem, acho que vale muito a pena aderir à subscrição. 
    Já a venda e/ou compra de direito de subscrição pagam corretagem.

      Leitão, MOISÉS JR., Luiz_Alvim curtiram isto.



    4  
    Turco   20 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Como era de se esperar de uma empresa séria, aconteceu!! 
     
    FATO RELEVANTE 
     
    Pedido de Recuperação Judicial  
     
    ETERNIT S/A ("Companhia"), em cumprimento ao art. 157, §4º da Lei nº 6.404/76 ("LSA"), comunica a seus acionistas e ao mercado em geral que ajuizou, nesta data, em conjunto com suas controladas e controlada em conjunto, SAMA S.A. – MINERAÇÕES ASSOCIADAS, TÉGULA SOLUÇÕES PARA TELHADOS LTDA., ETERNIT DA AMAZÔNIA INDÚSTRIA DE FIBROCIMENTO ... Ver mais LTDA., PRECON GOIÁS INDUSTRIAL LTDA., PREL EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. e COMPANHIA SULAMERICANA DE CERÂMICA S.A. ("Grupo Eternit"), pedido de recuperação judicial perante a Comarca da Capital do Estado de São Paulo, nos termos dos artigos 51 e seguintes da Lei nº 11.101/05. O pedido, que se soma a uma série de medidas administrativas e operacionais que já vinham sendo adotadas pela Companhia, foi aprovado ad referendum pelo Conselho de Administração da Companhia em reunião realizada hoje. 
     
    O pedido tem o intuito de atender ao melhor interesse de todas as sociedades que integram o Grupo Eternit, em especial: (i) preservar a continuidade das atividades do Grupo Eternit e sua função social, com o cumprimento dos compromissos assumidos com seus clientes; (ii) preservar, de forma organizada e responsável, os interesses e direitos de seus fornecedores, credores e acionistas; e (iii) proteger o caixa da Companhia e das sociedades do seu grupo objetivando mitigar riscos operacionais. 
     
    O pedido de Recuperação Judicial e os ajustes administrativos já realizados e ainda em processo de implementação se deveram, principalmente: (i) a persistente deterioração dos fundamentos da economia, que afetaram drasticamente os setores de construção civil e louças sanitárias, justamente os mercados atendidos pelo Grupo Eternit, (ii) as discussões legais acerca da extração, industrialização, utilização, comercialização, transporte e exportação do amianto, que vêm impactando as operações do Grupo Eternit e limitando o acesso da Companhia à concessão de novas linhas de crédito; e (iii) a queda na demanda e nos preços do amianto, nos mercados nacional e internacional, reduzindo a rentabilidade. 
     
    A Companhia manterá seus acionistas e o mercado informados sobre o desenvolvimento dos assuntos objeto deste Fato Relevante, e divulgará oportunamente, na forma da legislação e regulamentação vigentes, demais informações relativas ao processamento do pedido de recuperação judicial. 
     
    São Paulo, 19 de março de 2018. 
     
    Rodrigo Lopes da Luz 
    Diretor de Relações com Investidores 
     
    EQUIPE DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES: 
    +55 (11) 3194-3881 
    www.eternit.com.br/ri 
    ri@eternit.com.br

      Leitão, Capt. Gottlieb, Juninho, Rafael_Resende curtiram isto.



    4  
    Luiz_Alvim   21 mar  

    ITAUSA - O QUE DIZER DELA? - ITSA4

    Olá Turco e Moisés Jr., 
     
    Como bem disse o amigo Turco, esta subscrição de ITAUSA vale muito a pena, dada a diferença significativa entre a cotação da ação em bolsa e o preço da subscrição. Além disso, é sempre bom lembrar que se uma empresa chama um aumento de capital por subscrição e nós, como acionistas, abrimos mão dela, estaremos sendo diluídos, ou seja, nossa participação relativa no capital da empresa diminui. Então, se acreditamos que a empresa é boa, o melhor a fazer, ... Ver mais em minha opinião, é exercer o direito de subscrição.  
     
    Com relação ao ajuste no preço da ação em função do evento de subscrição, na verdade ele existe sim. Este assunto dos ajustes nas cotações feitos pela bolsa em função dos diversos tipos de eventos possíveis de acontecer é um pouco chatinho de entender, para alguns deles. Por isto sempre lanço mão de um artigo muito bom sobre o tema, escrito pelo Paulo Portinho e publicado na revista ADVFN de junho/2013. Esta revista nem existe mais. Estou anexando uma cópia deste artigo que explica as fórmulas de ajuste utilizadas pela Bolsa em cada tipo de evento. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Turco, Abreu, pguedes, JX curtiram isto.



    5  
    Luiz_Alvim   21 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Olá Turco e demais amigos do Buteco, 
     
    Recorrer a um pedido de recuperação judicial é uma medida extrema, que é tomada apenas quando uma empresa não tem mais como arcar com os seus compromissos financeiros.  
     
    Em minha opinião, esta iniciativa da ETERNIT mostra que, ao contrário do que dizia a sua administração, a empresa não estava devidamente preparada para enfrentar a proibição da utilização do amianto em seus produtos. Jogar a culpa pelas suas dificuldades ... Ver mais na crise econômica também não me parece correto. Como já comentamos aqui mesmo neste tópico alguns meses atrás, os resultados da ETERNIT começaram a se deteriorar antes mesmo do início crise. É claro que nem tudo está perdido, pois é possível que a empresa possa no futuro sair deste processo de recuperação judicial. Mas, ao que tudo indica, não será muito fácil.  
     
    Este é mais um exemplo do risco que nós investidores corremos quando decidimos permanecer como sócios de uma empresa mesmo quando os sinais do seu declínio são claros. Esperar muito tempo por uma possível recuperação futura de uma empresa com fundamentos ruins não me parece ser uma boa estratégia. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Capt. Gottlieb, Juninho, Leitão, Rafael_Resende, Raphaelfrf curtiram isto.



    4  
    Turco   21 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Luiz_Alvim, 
     
    Acredito, como enfatiza a empresa, que este pedido de recuperação judicial é mais um ato preventivo, uma vez que seus problemas são uma conjunção de fatos estruturais e conjunturais.   
     
    Concordo contigo principalmente em relação ao último parágrafo, o que reforça o axioma __"o primeiro prejuízo, sempre é o menor"!

      Capt. Gottlieb, Juninho, Rafael_Resende, Janira curtiram isto.



    7  
    Rafael_Resende   21 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Olá amigos do Buteco! Como estão? 
     
    Depois de algum tempo estou postando novamente, mas de acordo com a possibilidade estive acompanhando as discussões por aqui. 
     
    Sinceramente, este estado em que ETER se encontra é lamentável. Mas são uma série de fatores, de gestão administrativa ou econômicos, que levaram a empresa a essa situação. Pessoalmente, vejo com bons olhos as medidas tomadas pela administração com esse processo de recuperação judicial.  
     
    A ... Ver mais recuperação judicial é um instituto inserido no ordenamento jurídico brasileiro pela Lei 11.101/2005. 
     
    "Art. 47. A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica". 
     
    A satisfação da "função social" vai muito além do que o mero interesse de credores. 
     
    O artigo 50 da Lei 11.101/2005 elenca os meios que a empresa poderia usar para se recuperar, dentre os quais temos: 
    -concessão de prazos e condições especiais para pagamento das obrigações vencidas ou vincendas 
    -venda parcial dos bens, dação em pagamento ou novação de dívidas do passivo. 
    -equalização dos encargos financeiros 
    -constituição de sociedade de credores, cisão, incorporação, fusão ou transformação da sociedade, alteração do controle societário, substituição dos administradores, administração compartilhada, usufruto da empresa dentre outros. 
    -aporte de capitais, dentre outros 
     
    Para mais informações sobre recuperação judicial acesse: http://jus.com.br/ar(...) 
     
    Mais importante que afirmações sobre se acertei o tempo de saída, ou se errei o tempo de saída e ainda pretendo sair, ou se estou junto com a empresa pro que der e vier e vou me afundar com ela caso seja necessário, é termos feito o dever de casa, a chamada GESTÃO DE RISCO. 
     
    Se a gestão de risco foi feita corretamente não importa a linha de ação que tomaremos com pequenos investidores. Em qualquer das alternativas o prejuízo foi limitado pela gestão de risco. 
     
    Cada caso é um caso, cada investidor tem prazos de investimentos, estratégias, leituras econômicas e formas de visualizar a mesma crise. A decisão de permanecer, entrar ou sair é muito pessoal deve ser tomada com muito critério. No meu caso, a ação permanece em minha carteira de investimentos, sem cartão amarelo, com objetivo de longo prazo, como sempre foi desde o início do meu IG. 12:8. 
     
    Grande abraço.

      Abreu, Turco, Leitão, Capt. Gottlieb, Raphaelfrf, João_Magoo, Janira curtiram isto.



    7  
    Luiz_Alvim   22 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

     
    Meu caro Turco, 
     
    Eu fui sócio da Eternit durante quase três anos (2012 a 2014).  Para mim sempre esteve claro que o principal diferencial competitivo da empresa era o amianto, uma matéria prima barata que permitiu que durante muitos anos a empresa fabricasse produtos de qualidade e baixo custo. Além disso, a Eternit era a dona da única mina de amianto em operação no país, o que fazia dela um monopólio. O grande problema sempre foi que o amianto é um mineral ... Ver mais que apresenta riscos consideráveis para a saúde humana por ser cancerígeno. A empresa até tentou diversificar um pouco as suas atividades. A associação com os colombianos da Corona para a produção de louças sanitárias no Ceará, a compra da Tégula (fábrica de telhas de cimento) e a construção de uma fábrica de fibras sintéticas em Manaus foram as três principais iniciativas da empresa visando a diversificação dos seus negócios. O problema é que nenhuma destas três iniciativas conseguiu de fato emplacar, e quando o amianto finalmente foi proibido pelo STF no Brasil, o choque foi grande para a empresa. 
     
    Tenho dúvidas também sobre a qualidade da gestão da empresa.  No meu modo de ver, a Eternit teve uma ótima gestão no período em que foi comandada por Elio Martins, um executivo que foi criado dentro da empresa e a presidiu por 13 anos. Após o seu falecimento inesperado ocorrido em outubro de 2013, vítima de um ataque cardíaco, em minha opinião, a empresa entrou numa descendente. Seus indicadores mostram isto. 
     
    Safo, 
    Quando uma empresa entra em recuperação judicial, só existem dois finais possíveis para este processo:  
    1 – Ela é bem-sucedida, consegue se reerguer e sai da recuperação judicial para continuar tocando a sua vida.  
    2 – Apesar de todos os esforços, o processo de recuperação judicial não é suficiente para reerguer a empresa e ela acaba encerrando as suas atividades (falência). 
     
    Do ponto de vista do acionista, ele precisa então tomar uma decisão difícil. Como não dá para prever o futuro, vende logo as suas ações enquanto há mercado para elas, ou segura acreditando que a empresa vai dar a volta por cima. Acho que é uma decisão muito pessoal de cada um. Não consigo opinar a respeito. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Juninho, Safo, Turco, Leitão, Capt. Gottlieb, Rafael_Resende, Raphaelfrf curtiram isto.



    7  
    Abreu   22 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Bom dia Butequeiros 
     
    Safo, eu também fico na dúvida do que fazer. Por sorte é a menor da carteira (que está com 29 empresas). 
     
    Trabalhei por 6 anos no Fórum da minha cidade, e não vi nenhuma empresa sair da recuperação judicial. 
    Fiz uma pesquisa rápida agora e desde 2005, em que a Lei foi criada, até 2014 apenas 1% das empresas havia conseguido recuperação, de um total de quase 500 empresas. 
    E depois disso, o número de pedidos de recuperação ... Ver mais cresceu muito. Em 2016 foram quase 1900 pedidos, 45% a mais que 2015. 
     
    Sem contar que a maioria dos planos de recuperação sequer é aprovado pelos credores. 
    A Oi protocolou o pedido em junho de 2016, que só foi homologado agora em fevereiro. 
     
    Acredito que vou seguir o axioma citado pelo Turco.

      Luiz_Alvim, Turco, Safo, Leitão, Capt. Gottlieb, Rafael_Resende, Raphaelfrf curtiram isto.



    3  
    Luiz_Alvim   22 mar  

    ITAUSA - O QUE DIZER DELA? - ITSA4

    Olá Turco, 
     
    Os ajustes feitos pela bolsa (B3) seguem regras bem definidas para cada tipo do evento. Só que no dia seguinte ao ajuste, as cotações variam de acordo com a lei da oferta e procura e é o mercado quem define se vai subir ou cair.  
     
    Só por curiosidade, fui dar uma olhada para ver como se comportaram as cotações da ITSA4 neste processo de subscrição que está em andamento. Veja só que interessante: 
    A data base definida pela empresa e divulgada ... Ver mais através de fato relevante foi 22/02/2018. Nesta data, a ITSA4 fechou a 13,62 (cotação ajustada pela B3). No dia seguinte (23/03), data ex-subscrição, as cotações oscilaram entre a mínima de 13,34 e a máxima de 13,73 e fecharam em 13,62 (por coincidência a mesma cotação da véspera). Hoje (22/03/18), no momento em que escrevo este post, a cotação da ITSA4 está em 13,26.  
     
    Moral da "estória": depois que o ajuste foi feito pela bolsa, de acordo com as regras de cada evento, quem define as cotações é o mercado e, portanto, não dá para garantir se vai cair ou subir. 
     
    Abraço, 
     
    Luiz Alvim 

      Turco, Abreu, Leitão curtiram isto.



    3  
    Turco   23 mar  

    IMPOSTO DE RENDA _ DECLARAÇÃO 2018 - 20...

    Aos que estão  preenchendo a Deçlaração ou não: 
     
     
    O Banco ITAÚ, escriturador de várias ações, das quais possuo algumas, emitiu o Informe de Rendimentos e Posição Acionária referente as Fontes Pagadoras AES TIETE ENERGIA e NATURA COSMÉTICOS SA com erro no item 1. 1.1  do informe. 
    Nos dois casos foi informado O DOBRO dos valores creditados e pagos. 
     
    Como divergiam dos valores que recebi e controlo, pelos informados pela minha ... Ver mais corretora e pelo constante nos Extratos Mensais do CEI-Canal Eletrônico do Investidor, questionei ao banco sua veracidade e os mesmos foram corrigidos e reenviados. 
     
    Fica a dica! 
     

      Leitão, Luiz_Alvim, Capt. Gottlieb curtiram isto.



    13  
    Leitão   23 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Queridos amigos! Bom dia! 
     
    Geralmente eu não interfiro nas discussões porque considero que meu silêncio aqui no Buteco contribui mais para o aprendizado gradual de todos do que minhas intervenções. Após o curso, com o olhar e as assas ganhas, cada um vai voar mais alto sem as "amarras" do professor... E sem falar que eu sou mais um aluno aqui... Aprendo muito com todos! 
     
    Mas aqui na Eternit resolvi dar um pitaco, a título de contribuição de mais um participante ... Ver mais da discussão, muito rica por sinal... 
     
    Eu também paguei para ver e permaneci com a empresa, mesmo com os fartos sinais de problemas à vista (foi uma decisão consciente). Os alertas de problemas poderiam ter resultado em duas atitudesminhas: 1) Sair da empresa em um momento favorável ou 2) Reprogramar o manejo de risco, limitando o % da empresa em carteira. Nesse caso, jamais fazer preço médio com empresa em risco...  
     
    Optei pelo ítem 2 e mantive o risco sob controle. Na época, a empresa representava algo próximo de 5% da carteira. 
     
    Felizmente, nos últimos 10 anos, a empresa foi boa pagadora de dividendos. Então parte do prejuízo com ela foi amortizado pelos bons dividendos recebidos enquanto haviam (dividendo é dinheiro no bolso e fora de risco)... No final das contas, o meu prejuízo com ela hoje está em 42%, apenas... Digo apenas pois apesar da cotação no ralo, 42% é relativamente pouco. 
     
    Sendo assim, mesmo que a empresa falisse e fosse a zero, o manego de risco se mostrou satisfatório. O prejuízo com ela foi imensamente compensado com outras, e essa é a lógica de uma carteira diversificada  de ações. Nosso olhar é sempre no Time. É o time que vence o futebol... 
     
    Quanto a decisão de hoje com ela, torna-se meramente Especulativa. Uma vez que a empresa não tem mais bons fundamentos e ainda estou com o papel, minha decisão não passa mais pelo olhar de Investidor, e entra o olhar de Especulador. Meu risco/retorno com ela é bem favorável, pois ela pode vir a falir ou pode sair de 1,00 e ir para 2 ou 3 ou 4.... Pois, como Especuladores também, sabemos que o mercado dá saltos meramente emocionais e especulativos, totalmente desligados da realidade das empresas... Então, diante do risco/retorno de ir a 0 ou ao longo dos próximos meses ou anos der saltos-artificiais, prefiro deixar e esperar por esses saltos... Nesse caso posso usar a técnica de Stop-móvel, que vai subindo com o preço do papel... Ou posso deixar alertas no servidor me avisando de saltos ao longo do tempo, sem que eu tenha que ficar me preocupando com o acompanhamento do papel...  
     
    O amigo Abreu citou um bom exemplo com a OI... desde junho de 2016 o papel saiu de 1,00 e atingiu picos artificiais de 6,00. Ou seja, independente dos fundamentos da empresa, o mercado permitiu "lucro" de 500%. Quem tinha 1.000,00 no papel em 2016, mesmo que na lama, pode sair com 6.000,00 nos anos seguintes... (E lembrando que a Oi nunca foi uma empresa virtuosa em seus fundamentos, eu nunca a teria em carteira...). 
     
    Bem, então, fica aqui meu relato pessoal para contribuir com a discussão e nosso aprendizado mútuo... 
     
    Forte abraço a todos! 
    Leitão

      Turco, Safo, Capt. Gottlieb, Rafael_Resende, Luiz_Alvim, Hugo Hissashi, Raphaelfrf, João_Magoo, Diego, Abreu, Luis Fernando, Janira, CAK curtiram isto.



    4  
    Turco   23 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Em tempo:  
     
    ..."Após uma desastrada tentativa de recuperar o investimento fazendo preço médio"... ___ meu prejuízo com ela hoje seria de 67%.  
     
    Infelizmente negligenciei em não praticar o axioma do colega NIL: "Prática de preço-médio na tentativa de recuperar valor, é estratégia KAMICASE!"  
    Grande NIL! 
     
    Não obstante, estou tão tranquilo quanto o mestre, pois com o manejo de risco praticado, mesmo com este provável prejuízo, mais os ... Ver mais da, em menor escala, CEMIG e VALID, minha carteira como um todo apresenta variação positiva de 35,26%.  

      Capt. Gottlieb, Rafael_Resende, Raphaelfrf, Diego curtiram isto.



    5  
    Luiz_Alvim   25 mar  

    DISCUSSÕES SOBRE ETERNIT - ETER3

    Boa noite amigos, 
     
    Estou anexando a entrevista concedida pelo presidente da Eternit, Luiz Augusto Barbosa, ao jornal Valor Econômico, publicada dois dias depois da empresa ter entrado com o pedido de recuperação judicial. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim

      Turco, Rafael_Resende, Capt. Gottlieb, Abreu, Raphaelfrf curtiram isto.



    6  
    Luiz_Alvim   26 mar  

    ITAUSA - O QUE DIZER DELA? - ITSA4

    Bom dia pessoal, 
     
    O jornal Valor Econômico de hoje publicou uma entrevista bem interessante feita com o Alfredo Setubal, presidente da ITAUSA. A empresa, depois de muitos anos, voltou a investir para diversificar os seus negócios, atualmente muito concentrados no banco ITAÚ. Setubal explica nesta entrevista o porquê desta estratégia e aborda também as mudanças estruturais que estão acontecendo globalmente no negócio bancário. Como temos muitos acionistas de ITAUSA aqui no Buteco, ... Ver mais achei que seria oportuno anexar esta entrevista. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 
     

      Leitão, shi, Roberto Luis Pivetta, Turco, Zeca_Filho, Diego curtiram isto.



    10  
    Luiz_Alvim   31 mar  

    DISCUTINDO A VALE

    Caros amigos do Buteco, 
     
    Cumprindo o que havia prometido no final do ano passado, a VALE divulgou na última quinta-feira (29/03) um fato relevante com a nova política de remuneração aos acionistas (dividendos + JCP) que passará a vigorar a partir deste ano. 
     
    Os proventos passarão a ser pagos semestralmente nos meses de setembro e março, com base na seguinte fórmula: 30% do EBTIDA Ajustado do semestre encerrado menos os investimentos correntes. A fórmula é simples ... Ver mais e, segundo a empresa, ao mesmo tempo agressiva e sustentável, podendo ser aplicada a qualquer cenário de preço dos seus produtos. Em declaração feita no segundo semestre do ano passado, o presidente da VALE disse que uma nova política de dividendos seria implantada quando a empresa atingisse uma dívida líquida de US$ 10 bilhões, o que estava previsto para acontecer no final de 2018. Entretanto, após a apuração dos resultados finais de 2017, ficou claro que este novo patamar de dívida líquida seria alcançado em junho de 2018, seis meses antes do inicialmente previsto. Por isto, a nova política recém anunciada já será aplicada para o ano completo de 2018 e deveremos ter o primeiro pagamento semestral de proventos em setembro, com base no balanço do primeiro semestre.  
     
    Para se ter uma ideia da relevância desta nova política, caso ela já estivesse em vigor para os resultados de 2017, a VALE teria pago aos seus acionistas cerca de US$ 3,5 bilhões, mais do dobro dos US$ 1,4 bilhão que ela efetivamente desembolsou para pagar os proventos relativos ao ano passado. Nada mal, não é mesmo? 
     
    Estou anexando o fato relevante que divulgou esta nova política da empresa. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 
     

      Sabrina Stefani , Capt. Gottlieb, Leitão, César, Pablo, Carlão_A, Raphaelfrf, Diego, Zeca_Filho, Turco curtiram isto.



    4  
    Capt. Gottlieb   31 mar  

    PREVIDÊNCIA PRIVADA OU BOLSA DE VALORES

    Prezado Luiz 
    Gostaria de acrescentar uma frase que ouvi há mais de 40 anos e que cai como uma luva para determinadas  profissões. Funciona como uma regra de três. É claro que existem exceções. 
     
    "Gerente de banco está para Bolsa de Valores assim como coroinha está para Padre."

      Luiz_Alvim, Raphaelfrf, José, Turco curtiram isto.



Edição de MARÇO/2018

 

 

Produzido por: http://leitaoemacao.com/buteco

Edição de MARÇO/2018

FOLHETIM