Produzido por: http://leitaoemacao.com

  Edição de MARÇO/2017

    8  
    Turco   2 mar  

    INICIANDO OS TRABALHOS

    Olá Natália.  
     
    Este negócio de carteira é realmente muito pessoal.  
    Se Você der uma pesquisada no BUTECO verá isto. Por exemplo tem um POST em que eu e um colega comentamos sobre a saída da NATURA e outro vendo o oposto, ou seja estaria estudando entrar nela.  
     
    Em linhas gerais as empresas que selecionou são boas empresas, porém, já que pediu, gostaria de opinar sobre algumas. 
    Tem muito banco e/ou empresa do mesmo ramo.  
    O interessante ... Ver mais de diversificar é a possibilidade de diluir bem o risco.  
    ITAU e ITAUSA__ é praticamente o mesmo papel. ITAU é o Banco e ITUSA a holding do banco;  
    SANTANDER___ __ não se consolidou ainda no mercado;  
    BRFOOS___ ___ ___ é cheia de altos e baixos, não me agrada muito, já fui sócio e saí;  
    BBRASIL ___ ___ ___ estou trocando por ITAUSA, dentro da política de não mais investir em empresas que tenha o Governo como controlador, as próximas que sairão são CEMIG e PETROBRAS. Como pensa nossa colega Luiz Alvim, também acho que não tenho mais idade para esperar que estas empresas se recuperem da má gestão que tiveram recentemente;  
    BBSE, PSSA e PARC___ setores semelhantes, estudei mas não me intusiamei;  
    HIPERMARCAS, KLABIN, DROGARAIA__ Estudei e também não me interessei;  
    TRPL, TAEE, UGPA e LEVE___ _ não acompanho.  
    As demais tenho em minha carteira.  
     
    Ótimo que tenha consciênca de que não deve ter pressa em formar a Carteira.  
    Hoje,com a experiência que adquiri no BUTECO, se fosse formar uma Carteira, iria devagar e, como já sugeri a colegas em outros posts, não escolheria todas de uma vez, mas sim a medida que fosse comprando. Por exemplo compro 5 por mês a cada 4 meses.

      Leitão, RonaldoMG, Bruno Bartolomasi, Natália, Marc, SAMIR (ES), André_Tafner, Rodrigo curtiram isto.



    15  
    Luiz_Alvim   2 mar  

    BRADESCO - RESULTADOS 2016 - BBDC3

    Olá Samanta, 
     
    Uma das minhas sugestões para os colegas que estão iniciando no IG é ir montando a carteira aos poucos, sem muita pressa. Estudar cada empresa o melhor possível antes de decidir que vai se tornar sócio dela, além de ser uma atitude prudente pode evitar que tomemos decisões equivocadas. Na prática às vezes isto é meio difícil de fazer, porque quando a gente termina o curso do mestre Leitão dá uma vontade danada de iniciar logo as compras. Mas, é preciso conter um ... Ver mais pouco esta ansiedade. 
     
    Concordo com você que os motivos que levaram o BBDC a ter um resultado um pouco pior em 2016 não chegam a preocupar. ITUB vem se saindo melhor nos últimos anos, mas ambos são ótimos. Tenho os dois na minha carteira de IG desde o início. 
     
    Sobre ITAÚ (ITUB) e ITAUSA (ITSA), a diferença é a seguinte: 
    ITUB é o banco puro, enquanto que ITSA é a holding da família Setúbal que controla o banco. Esta holding, além do banco, controla também três outras empresas não financeiras: ITAUTEC, DURATEX e ELEKEIROZ. Acontece, que como o banco é muito grande, em valor de mercado ele representa atualmente cerca de 97% da holding toda. Isto quer dizer que, na prática, quando você compra uma ação de ITSA, é a mesma coisa que comprar uma ação do banco. Acontece que existe um desconto no valor da ação da ITSA em relação ao valor da ação de ITUB que, historicamente, gira em torno de 20%. Neste momento este desconto é até um pouco maior (25%). Isto significa que, na prática, comprar ITSA é uma forma mais barata de se comprar ITUB.  Mais detalhes sobre esta questão do desconto você vai achar lá no site de RI da ITAUSA. Vale a pena dar uma olhada lá. 
     
     
    Esta é a realidade hoje, mas isto pode mudar um pouco no futuro porque nada impede que a holding venha a investir em novas empresas. Neste momento, é fato conhecido por todo o mercado que ITAUSA está negociando a compra de alguns ativos pertencentes à Petrobrás, entre os quais a distribuidora e alguns gasodutos. Como estes ativos são de maior valor, caso as aquisições venham mesmo a acontecer, pode ser que a representatividade do banco dentro da holding caia dos atuais 97% para um percentual menor. Neste caso, comprar uma ação de ITSA não seria mais a mesma coisa que comprar uma ação de ITUB. No meu caso, optei por colocar ITSA na minha carteira e, mesmo que no futuro a holding passe a controlar outras empresas, não vejo isto como sendo um problema. Os gestores que comandam ITSA são excelentes e se vierem a adquirir estes ativos da PETRO, não tenho dúvida de que saberão extrair maior valor para os acionistas. Por isto, até torço para que estas compras de fato aconteçam. 
     
    Grande abraço, 
    Luiz Alvim  
     

      Leitão, Marcio Martins, Nêgo , Bruno Bartolomasi, Turco, Carlão_A, Zeca_Filho, Fernando_Klem, MARTINS, shi, Samanta Arrais, Daniel Rios, Dri Guerra, Rodrigo, Diego curtiram isto.



    7  
    Bruno Bartolomasi   2 mar  

    RANKING DE CORRETORAS

    Olá amigos, 
     
    Eu tenho usado a Nova Futura para operações em Bolsa, ela cobra R$10,00 de custódia e R$1,99 por ordem (lote cheio, fracionário ou opções). A corretora é pouco conhecida pois ela só trabalhava com investidores institucionais, começou a trabalhar com pessoa física ano passado, se não me engano, mas ela está no mercado há mais de 30 anos e é sócia fundadora da BM&F, possui os 3 selos de qualificação da BM&FBovespa (Execution Broker, Retail Broker e Agro Broker). Migrei ... Ver mais da Rico e não me arrependo, o atendimento também é bem melhor. 
     
    Abraço

      Leitão, Turco, JX, Diego, Abreu, Samanta Arrais, Igor Drago curtiram isto.



    5  
    JX   3 mar  

    RANKING DE CORRETORAS

    Oi Bruno, 
     
    Acho que eu já tinha visto um post anterior seu falando q estava operando pela Nov Futura, eu não a conheço e fiz uma busca rápida no site bancodata.com.br (http://www.bancodata(...) e vi que tiveram prejuízo em 2016. 
     
    Eu tenho Spinelli para Tesouro Direto, mas ela parece andar ... Ver mais muito mal das pernas financeiramente nos balanços (prejuizos a cada trimestre)...veja o link: http://www.bancodata(...) 
     
    A Socopa eu utilizo para investimento em ações e estou bem satisfeito com o serviço deles, eles tb parecem ter uma saúde financeira melhor que muitas corretoras atualmente (http://www.bancodata(...) 
     
    Estou pensando sinceramente em concentrar TD e Ações na Socopa. 
     
    Não sei a opinião de vocês sobre acompanhar a saúde financeira das corretoras nas quais investimos, mas eu fiquei com pulga atrás da orelha desde aquele rolo com a Corval. 
     
    Abraço, 
     
    JX 
     

      Turco, Diego, Leitão, Bruno Bartolomasi, Samanta Arrais curtiram isto.



    5  
    Turco   3 mar  

    RANKING DE CORRETORAS

    JX,    
     
    Concordo contigo sobre acompanhar a saúde financeira das corretoras, o que nos deixa um pouco mais seguros, contudo continuo com a opinião de que ter conta em corretora é pura e simplesmente para, e por ser uma exigência legal, operar no mercado financeiro.    
    Por mais saudavel de elas se apresentem, jamais opero com produtos que não sejam do mercado de ações e/ou TD.    
    No dia 06 de janeiro de 2016 a TOV, corretora que ... Ver mais praticava corretagem de baixo custo e com a qual operava, sofreu intervenção do BC e até hoje não recebi os valores que estavam em conta depósito. Cerca de mil reais oriundos de proventos.    
    Obrigado por, mais uma vez, compartilhar conosco a idéia de acompanhar os dados no BANCODATA.

      Diego, Leitão, JX, Bruno Bartolomasi, Samanta Arrais curtiram isto.



    11  
    Felipe L S   5 mar  

    A RENDA FIXA SEMPRE GANHA DO IBOVESPA NO LONGO PRAZO?

    Olá, caros amigos! 
     
    Ao longo do tempo, mantive-me afastado de comentar muitas postagens aqui no buteco. Em primeiro lugar, pois muitos colegas experientes (como o Luiz Alvim e o Turco) sempre trazem informações com alto nível de embasamento, mas com uma forma simples de transmitir a informação. Por conta disso, resolvi estudar mais e ler muito em "blogs" independentes para aprender sobre assuntos diversos e poder qualificar as respostas. O intuito é estimular a discussão dentro ... Ver mais do buteco (a argumentação e contra-argumentação de ideias talvez seja a melhor forma de construirmos conhecimento).  
     
    Um dos assuntos mais discutidos em mídias especializadas em economia é sobre o fato de a "Renda Fixa bater o Ibovespa no longo prazo". Talvez não exista argumento mais falacioso do que esse quando o assunto é investimento, sendo necessário maior compreensão do funcionamento de cada elemento. 
     
    O ponto principal reside na seguinte situação: A Renda Fixa (vamos utilizar como protótipo o Tesouro IPCA+ sem cupons) representa um título de dívida: o doador (você investidor) aceita emprestar dinheiro ao tomador (governo) em troca de receber, em um determinado período de tempo (hoje já é possível investir em Tesouro IPCA+ 2045), a quantia investida acrescido da inflação e acrescido de uma taxa de juros previamente acordada. As ações, por outro lado, podem ser consideradas ativos reais (representam frações do capital de uma empresa). Exemplos de mais ativos reais são imóveis e commodities (ouro, prata). Eu vejo alguns problemas em concentrar boa parte do capital em renda fixa: Primeirox ela essencialmente é um mecanismo em que o dinheiro muda de "dono": passa do do investidor para o governo e do governo para o investidor (não houve essencialmente produção ou criação de valor para o país; você precisa acreditar que o governo utilizou o seu dinheiro para investir em projetos e além disso o governo ganha cobrando taxas (exemplo dos 15% sobre o valor total obtido no investimento - e não sobre o valor investido - que o governo abocanha quando do resgate da aplicação na data acordada). Segundox o valor do IPCA (esse é apenas um dos índices que mede a inflação) é calculado pelo governo. Todos sabemos que muitos produtos podem aumentar de preço muito mais do que o IPCA (logo, quanto maior a taxa de inflação real, a rentabilidade da renda fixa fica prejudicada). Terceirox existe o chamado "Risco Brasil" que é a possibilidade de o governo dar calote nos investidores e não honrar com os compromissos acordados. Imagine a situação dos investidores que detinham títulos públicos da Venezuela. 
     
    A situação muda quando investimos em ativos reais. Uma explicação bem simples pode ser encontrada nesse link xhttp://investimentos(...) Se pensarmos nos surtos inflacionários dos anos 80/90, fica fácil entender o porque de muitas pessoas terem imóveis como investimento no Brasil. 
     
    Para finalizar, deixo no anexo três gráficos construídos por usuários do site Bastter, em um fórum que trata justamente sobre rentabilidade da Renda Fixa e do Ibovespa: a conclusão que se chega é que devemos escolher empresas boas para fazer parte da carteira. o Ibovespa é pouco diversificado (o índice tem peso muito grande em poucas empresas - Vale, Petrobrás -), além de possuir empresas com fundamentos ruins (basta lembrar que OGX, mesmo sem possuir bons fundamentos, fazia parte do índice). 
     
    Abraços 
    Felipe L S

                 

      Carlão_A, Bruno Bartolomasi, Leitão, Turco, Rafa M, Diego, Samanta Arrais, mauricio gonzo, Gustavo Griffo, RonaldoMG, Juninho curtiram isto.



    7  
    Turco   6 mar  

    RANKING DE CORRETORAS

    Bruno bartolomasi, 
     
    Realmente o motivo da intervenção foram os desmandos da corretora no mercado de câmbio, e o inventário da massa falida aponta que a empresa tem caixa para ressarcir todos os clientes, fornecedores e o governo. 
    Acho que ela enverendou por este caminho para se sustentar. 
    Apesar disto já se passaram 14 meses e ninguém recebeu nada. 
    Outras corretoras, como por exemplo a estrangeira Mirae, tomaram o rumo do baixo custo e logo voltaram ... Ver mais atrás. 
     
    Compartilho a experiência, pois passei por um baita susto day after: 
    Tive o crédito do um resgate de uma LTN01012016 de R$ 190 mil, no dia 04/01/2016, como nunca deixo dinheiro em corretora, transferi para meu Banco dia 05 e no dia 06 o BC decretou a intervenção.   
    UFa!! 
    Pois bem, durante o processo de intervençao é que fiquei sabendo que havia mais de 2 anos  a TOV estava sendo monitorada e multada por fazer operações de câmbio fraudulentas. 
    A imprensa e os órgãos fiscalizadores pouca ou quase nenhuma notícia sobre o fato naquele período. 

      JX, Luiz_Alvim, Diego, César, Bruno Bartolomasi, Leitão, Samanta Arrais curtiram isto.



    5  
    Guilherme   6 mar  

    FUNDAMENTOS EZTC3 - EZTC3

    Boa tarde,   
     
    Na minha avaliação a EZTEc tem uma gestão muito boa, o que me deixa tranquilo no investimento, e a margem da EZTEc é bem alta (o maior do segmento).  
     
    No meu ver ainda tem muita gordura pra queimar caso comece a perder mercado.  
     
    Com relação ao preço não vejo preocupação em um investimento gradual, já que o foco não é preço e sim valor da empresa.  
     
    Independente do país estar em crise ou não a empresa ... Ver mais tem valor e isso que importa (na minha opinião).

      Luiz_Alvim, Raul , Samanta Arrais, Igor Drago, Rodrigo curtiram isto.



    6  
    Luiz_Alvim   6 mar  

    BONIFICAÇÃO DE 10% ITAÚSA - ITSA4

    Olá jcAlb, 
     
    Vou tentar ajudar: 
     
    ITSA2 não é uma ação, mas um direito de subscrição. Ele está aparecendo na sua carteira na corretora porque certamente você deve possuir algumas ações da ITAUSA. Quando uma empresa resolve aumentar o seu capital através de uma subscrição de ações, ela define o percentual que cada acionista poderá subscrever, o preço da subscrição de cada ação e o prazo (início e fim) para que a operação possa ser feita.  
     
    No caso ... Ver mais desta subscrição de ITSA, o percentual definido foi 1,6386161% e o preço da subscrição R$ 6,10 por ação. A subscrição pode ser feita no período de 02/03/17 a 31/03/2017. Os acionistas que não quiserem exercer o seu direito de subscrição, podem vender estes direitos em bolsa. Por isto a bolsa cria um código para identificar este direito, no caso ITSA2, que é cotado e negociado como se fosse uma ação. Quem compra um direito de subscrição na bolsa, por exemplo por R$ 3,86 como você citou, vai precisar gastar mais R$ 6,10 para subscrever uma ação. A cotação do direito de subscrição varia de acordo com as cotações da própria ação, para cima ou para baixo. Portanto, é preciso fazer as contas direitinho para ver se vale a pena comprar os direitos na bolsa para depois fazer a subscrição, que necessariamente precisa ser feita através da sua corretora. 
     
    Quando o preço da subscrição definido pela empresa vale a pena, eu sempre exerço o meu direito de subscrição, mas nunca comprei mais direitos na bolsa além dos que eu já tenho. Quando tenho interesse em aumentar a minha posição na empresa prefiro comprar a ação diretamente na bolsa. Mas, esta decisão é, naturalmente, de cada investidor. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 

      Carlão_A, Bruno Bartolomasi, Leitão, Samanta Arrais, neilorp, Clécio curtiram isto.



    7  
    Bruno Bartolomasi   6 mar  

    FUNDAMENTOS EZTC3 - EZTC3

    Olá amigos, 
     
    O Guilherme tocou em um ponto interessante "Com relação ao preço não vejo preocupação em um investimento gradual, já que o foco não é preço e sim valor da empresa.", eu concordo em partes com esse argumento. Em primeiro lugar, devo esclarecer que não pratico o IG da forma ensinada no curso, tenho meu próprio método, cada dia mais voltado para o IV, acabei escrevendo o texto levando em conta minha forma pessoal de investir e não a maneira tradicional do Buteco. Em ... Ver mais segundo lugar, concordo que o IG faz com que, no longo prazo, se houver disciplina e consistência, a empresa terá um bom preço médio. 
     
    Sobre o valor x preço, acredito que existe uma grande confusão quando falamos de investimentos e, na minha visão, uma empresa que é um excelente investimento a R$10,00 dificilmente será um ótimo investimento a R$50,00 (a menos que tenha crescido proporcionalmente). Nós, pequenos investidores temos basicamente 2 formas de mitigar o risco: diversificação e margem de segurança. Diversificação fala por si só e é usada no IG, já a margem de segurança tende a ser ignorada pela maioria das pessoas, sendo que é ela que garante nosso lucro se o futuro não for tão brilhante e também diminui nosso prejuízo caso a empresa afunde (ou a gente erre na análise).  
     
    Valor não é algo binário (tem ou não tem), valor é um número, é quanto a empresa vale. Assim como um imóvel tem um valor e ninguém compraria uma casa que vale 500 mil por 75 milhões, assim também eu não consigo comprar, mesmo no IG, uma empresa que vale 500 mil por 75 milhões. Já o preço é formado pelo valor + uma expectativa. Essa expectativa pode ser positiva, por exemplo a RADL, indicando que há um consenso no mercado de que a empresa continuará reproduzindo os excelentes resultados do passado (e o problema é justamente quando ela parar de produzir, pois quando o investidor se der conta que pagou por uma expectativa de futuro e não por uma realidade o preço já terá desabado), ou uma expectativa negativa, como a EZTC no final do ano passado, que estava sendo vendida bem abaixo do seu valor intrínseco. 
     
    A EZTC vem mostrando desde 2013 que se o país não melhorar ela vai continuar piorando, se ela não dependesse de fatores macroeconômicos não estaria dando lucros menores que o ano anterior há tanto tempo. Concordo que ela é uma das melhores do setor, mas o risco Brasil é um dos riscos associados a empresa e o investidor precisa estar ciente disso para poder dormir tranquilo caso o país não volte aos trilhos e os lucros da empresa continuem definhando, rs. 
     
    Abraço!

      Carlão_A, shi, Raul , Samanta Arrais, Gustavo Griffo, Rodrigo, FH curtiram isto.



    3  
    Bruno Bartolomasi   7 mar  

    RANKING DE CORRETORAS

    Olá amigos, 
     
    Turco, que bom que conseguiu resgatar o dinheiro antes! Seria terrível ter todo esse dinheiro empatado há 14 meses sem perspectiva de receber de volta. Não sei qual motivo levou a TOV a realizar operações fraudulentas, talvez realmente seja o que tu disse, para se sustentar, ou então foi por ganância e imaginou ter uma oportunidade de dinheiro fácil. Na minha visão, toda concorrência é boa para o cliente, quanto mais opções tivermos, mais cada empresa precisará fazer ... Ver mais algo para nos conquistar. Eu sempre penso que minha vida seria muito mais fácil se usasse a Itaú Corretora, mas ainda não possuo um aporte grande o suficiente para arcar com o preço deles, por isso optei pelo mais barato. Minha vontade é, no futuro, fazer a transferência de custódia pro Itaú... até lá, espero que a NF não quebre nem aumente os preços, rsrs. 
     
    César, é praticamente impossível fazer essa conta pois não temos como saber qual será tua rentabilidade, mas uma conta teórica creio ser o suficiente para esclarecer tua dúvida, simulei, para simplificação, uma taxa de 15% ao ano:  
     
    - Situação 1: aportes mensais de 1k+1k por 10 anos (990 + 990, descontando a corretagem) 
    Saldo final: R$517.745,80 
     
    - Situação 2: aportes mensais de 1k + 1k por 10 anos (considerando os custos da Itaú Corretora, R$10,00 + 0,3% (R$2,97 nesse caso) + R$15,80 de custódia = 969,13 + 969,13 descontando os custos e rateando a custódia) 
    Saldo final: R$503.894,55 
     
    Para extrapolar, simulando 30 anos, a situação 1 daria: R$11.021.786,10 
    a situação 2 daria: R$10.789.437,94 
    a diferença seria de 2,15%. 
     
    PS: a simulação é uma conta de padaria, serve apenas para colocar em números uma possível diferença. 
     
    Abraço! 
     

      Turco, César, Samanta Arrais curtiram isto.



    7  
    Maycon Belfort   7 mar  

    FERRAMENTA ONLINE BMF BOVESPA COTAÇÕES

    Pessoal, boa tarde! 
     
    Apenas para compartilhar, conheci hoje uma ferramenta bacana que o site da BMF Bovespa disponibilizou, é o Cotações onde pode-se fazer várias análises gráficas como o MetaStock. 
     
    Segue o link:http://www.bmfbovesp(...) 
     
    Abraços.

      Leitão, Zeca_Filho, Samanta Arrais, Bruno Bartolomasi, Natália, Rodrigo, Fabiano curtiram isto.



    3  
    Turco   12 mar  

    RANKING DE CORRETORAS

     
    É pessoal, acho que agora vem!! 
    Os valores serão ressarcidos corrigidos pela variação da TR entre a data de 07/01/2016 e a data do efetivo agamento, conforme previsto no art. 9º da Lei 8.177/91 editada no bojo  do famigerado PLANO COLLOR.

      Bruno Bartolomasi, JX, José curtiram isto.



    14  
    Felipe L S   12 mar  

    FUNDAMENTOS NATU3 - NATU3

    Olá, Raul! 
     
    Vou tentar fornecer uma contribuição a esse tópico, pois sou sócio da NATU3. Certamente, os fatores que têm chamado a atenção dos investidores nesta empresa são a queda do lucro líquido (já são quatro anos de queda) e a queda da margem líquida (já são cinco anos de queda). Os dois fatores que talvez mais impactem estes fatores foram o cenário macroeconômico do país (retração do consumo) e a estratégia operacional da empresa (ela levou mais tempo para deslocar suas ... Ver mais operações das vendas por meio de consultoras para vendas por meio de lojas físicas em locais como shopping centers). Esses são fatores que levariam muitas pessoas a dar "cartão amarelo" ou até "cartão vermelho", pois a empresa parece não estar gerando valor ao acionista. 
     
    Entretanto, é possível observar alguns pontos que tornam essa empresa muito interessante: 
    1. Governança Corporativa: a Natura possui uma gestão bastante transparente e responsável. Os administradores deixam claro em suas reuniões com acionistas que não adiantaria trazer resultados espetaculares ao acionista no curto prazo, mas com prejuízo na sustentabilidade das operações no futuro. Atualmente mais de 30% da receita da empresa vem das OIs (Operações Internacionais). Alguns termos são bem recorrentes quando do estudo da Natura como Latam (operações na América Latina) e Aesop (marca de cosméticos fundada em Melbourne - Austrália e com presença em vários países, principalmente na ásia e na europa); 
     
    2. Esta é uma empresa de patrimônio pequeno; por conta disso, muitos dos seus indicadores (como a dívida), precisam ser avaliados em relação à receita líquida (que continua elevada). Além disso, é preciso lembrar que a principal medida de valor ao acionista é o Fluxo de Caixa Livre (FCL). Este parâmetro reflete o resultado de caixa obtido além do necessário para financiar seus investimentos e prover crescimento da empresa. Nesse quesito, a empresa segue saudável, pois o FCL (pelo menos na série histórica desde 2007 sempre foi positivo). Outro ponto a ser destacado, é como a empresa vem investindo no seu negócio (seja no aumento de lojas físicas no Brasil, seja no aumento das operações Latam/Aesop). Isso pode ser percebido por um indicador CAPEX/Lucro Líquido, que atingiu em 2016 o maior valor da série histórica desde 2007: 99%. 
     
    3. Os administradores perceberam a perda de margem e observaram que é importante a mudança na forma de venda dos produtos. Por conta disso, a empresa está trabalhando com o conceito de multicanalidade: vendas por meio das consultoras, por meio do site Rede Natura, por meio de parcerias com fármacias (existe a parceria com a Raiadrogasil na venda dos produtos "Sou" e no incremento das lojas físicas em shopping centers: http://www.natura.co(...) 
     
    É claro que existem muitos outros fatores a serem analisados e cada investidor deve tomar a melhor decisão. Mas é notório o esforço da administração em mudar para melhor os rumos da empresa e gerar valor no futuro. 
     
    Um grande abraço! 
    Felipe. 
      

      Leitão, Carlão_A, Bruno Bartolomasi, Fernando_Klem, Raul , shi, Diego, Luiz_Alvim, RonaldoMG, José, Igor Drago, Rodrigo, Turco, Rafael_Resende curtiram isto.



    6  
    Felipe L S   19 mar  

    COMPRAR AÇÕES COM LUCRO CRESCENTE, MAS HISTÓRICO DE VALORIZAÇÃO ABAIXO DO IBOV É UMA BOA ESTRATÉGIA?

    Olá, RonaldoMG! 
     
    Vou tentar fornecer uma pequena contribuição a este tópico. É claro que a ocorrência de lucro é um fator muito importante para a sustentabilidade do negócio (melhor ainda se o lucro for crescente). Entretanto, ter lucros crescentes isoladamente não pode ser considerado um bom fator para investimento na empresa. Vamos supor que a empresa que você investe tenha lucros crescentes, mas a dívida dessa empresa seja crescente também. Para piorar a situação, vamos imaginar ... Ver mais que a maior parte dessa dívida (x 50%) tenha de ser paga no curto prazo. Com esse cenário, a empresa tem apenas duas opções: usar boa parte do lucro para pagar a dívida (isso significa que a empresa vai perder caixa e com consequente diminuição de recursos para investir no negócio) ou a empresa pode vender patrimônio para pagar a dívida (isso significa que a empresa pode perder participação de mercado dependendo em que a empresa atua). 
     
    A valorização do papel (refletido pela rentabilidade das cotações) no curto prazo segue fluxos (de notícias, de especulações, de dinheiro que podem entrar ou sair), mas no longo prazo seguem os lucros. O crescimento da valorização do papel pode ser mais lenta (curva mais plana) ou mais rápida (curva mais vertical). Esse fator da velocidade de crescimento da valorização da cotação não tem muita lógica (pesquisei um pouco sobre o assunto, mas não há nada consistente). 
     
    A melhor situação possível é considerar o Lucro Por Ação (LPA) crescente (cria valor ao acionista), Fluxo de Caixa Livre (FCL) constante ou crescente (garante a manutenção dos investimentos no negócio) e Dívida controlada (principalmente as dívidas de curto prazo e considerar o custo da dívida baixo - preferencialmente abaixo do CDI). 
     
    Abraços! 
    Felipe.

      Fernando_Klem, Leitão, RonaldoMG, Turco, José, Samanta Arrais curtiram isto.



    12  
    Luiz_Alvim   22 mar  

    A RENDA FIXA SEMPRE GANHA DO IBOVESPA NO LONGO PRAZO?

    Olá Felipe, FTA e demais amigos do Buteco, 
     
    Este tópico aberto pelo nosso colega Felipe dá margem para uma boa discussão. Ao ler o título em forma de pergunta escolhido pelo Felipe, “A renda fixa sempre ganha do IBOVESPA no longo prazo? ”, confesso que fiquei em dúvida quanto à resposta. Aí fui fazer uma pesquisa nos meus alfarrábios e encontrei uma matéria publicada no Estadão em abril de 2014 mostrando um estudo feito pela Economática, que comparou os retornos da renda fixa ... Ver mais (CDI) com o IBOVESPA em 20 anos do plano real. Lá está a resposta: 
    Retorno nominal: CDI (3.186,69%) e IBOVESPA (1.287,49%) 
    Retorno real (descontada a inflação): CDI (629,39%) e IBOVESPA (207,91) 
     
    Bem, apesar da resposta já ter sido dada, acredito que a intenção deste tópico é discutir onde devemos investir o nosso suado dinheirinho com uma visão de longo prazo, considerando as duas variáveis principais: risco X retorno. Aí, realmente, temos uma boa discussão. Se estivéssemos nos EUA ou em algum outro país desenvolvido, creio que a resposta seria tranquila: priorize as ações. Já comentei aqui no Buteco em outros tópicos sobre o livro “Investindo em Ações no Longo Prazo”, de Jeremy Siegel. Os americanos têm estatística para tudo e neste assunto dos investimentos então eles são imbatíveis. Tem um gráfico incrível neste livro que mostra uma comparação entre os retornos médios anuais reais das ações, renda fixa, dólar e ouro entre 1802 e 2012. Ao longo de 210 anos as taxas anuais de retorno são as seguintes: 
    Ações: 6,6%  
    RF – Títulos de longo prazo: 3,6%  
    RF – Títulos de curto prazo: 2,7%  
    Ouro: 0,7%  
    Dólar: -1,4%  
     
    Mas, como estamos no Brasil, acho que o exemplo americano não vai nos servir muito, pois a nossa realidade é bem diferente, o que torna as nossas decisões menos óbvias. O que vou dizer daqui para frente tem muito a ver com a minha visão pessoal sobre os investimentos e o que tenho procurado fazer para aplicar a minha grana. Portanto, os amigos fiquem à vontade para discordar e criticar. Como bem disse o Felipe, a crítica construtiva é uma boa forma de alavancar o nosso conhecimento. 
     
    1 - Acredito que nas nossas decisões de investimento devemos sempre analisar as duas variáveis risco X retorno.   
     
    2 – Mesmo na realidade brasileira, o investimento em renda fixa (títulos do governo) tem um grau de risco bem menor do que a renda variável (ações). Em função disso, para o investimento em ações valer a pena é preciso que no nosso horizonte de investimentos (longo prazo) as ações batam com folga o CDI. Caso contrário, seria bem mais seguro e, eventualmente, até mesmo mais rentável, ficar na renda fixa. 
     
    3 – Não dá para desprezar os juros reais na renda fixa brasileira. Ao longo do tempo eles tem variado, mas são sempre muito maiores do que na maioria dos outros países. Em alguns países do primeiro mundo temos atualmente juros negativos, ou seja, você aplica o seu dinheiro no banco e no final do prazo tem menos do que colocou inicialmente. Significa pagar para o banco guardar o seu dinheiro. Enquanto isto, tivemos no primeiro semestre do ano passado a NTNB (Tesouro SELIC) pagando até um pouco mais de 7% de juros real (além da inflação). Atualmente, esta taxa ainda é bem interessante, pouco mais de 5% além da inflação. 
     
    Obs.: Não tenho motivos para duvidar dos índices de inflação apurados no Brasil. Mesmo na época dos últimos governos petistas, onde aconteceram algumas claras maquiagens das contas públicas, nunca se duvidou da correta apuração dos diversos índices de inflação existentes. Até porque, instituições como o IBGE, FGV, FIPE-SP, entre outras, são bem sérias. Muito diferente do que vimos acontecer na nossa vizinha Argentina. 
     
    4 – Não é fácil para as ações baterem a renda fixa aqui no Brasil. No meu modo de ver, o fato de algumas ações de boas empresas baterem o CDI conforme foi mostrado em alguns gráficos publicados neste tópico, em termos práticos não significa muita coisa. Selecionar boas empresas (15 ou 20) para montar uma carteira de IG visando o longo prazo é bem diferente de escolher algumas ações a posteriori e fazer uma comparação com o CDI.  
     
    5 – Eu acredito muito no investimento em ações pelo método do IG que praticamos. Acho que o método é simples e bem lógico. Mas, definir um bom critério de seleção com foco nos fundamentos das empresas, estudar o melhor possível cada empresa, e fazer uma gestão ativa desta carteira ao longo do tempo não me parece uma tarefa trivial. É bem mais complicado do que aplicar no Tesouro Direto. Ainda assim, acho que vale a pena. Com bons critérios e muita disciplina eu acredito que é possível conseguir bons retornos na renda variável. 
     
    6 – Para exemplificar, gostaria de citar dois casos reais no Brasil muito bem-sucedidos. Dynamo e IP Capital Partners são duas das principais gestoras de fundos de ações que temos no país. São as duas melhores, em minha opinião. O fundo Cougar, da Dynamo, foi criado em setembro de 1993. Desde sua criação até dezembro de 2016 sua rentabilidade (em US$) foi de 12.560,8%. No mesmo período, a valorização do IBOVESPA (também em US$) foi de 277,6%.  
    O fundo IP-Participações, gerido pela IP Capital Partners, obteve nos últimos 15 anos uma valorização de 1.311%. No mesmo período, o CDI rendeu 562% e o IBOVESPA 339%. 
    Claro que estes dois exemplos são exceções. As equipes destas duas gestoras são formadas por profissionais de primeira linha, que tem mostrado ao longo do tempo um desempenho “fora da curva”. Mas servem para nos mostrar que, mesmo com todos os problemas que temos aqui no Brasil, é possível obter ótimos retornos com o investimento em ações. 
     
    7 – Resumindo: eu penso que cada investidor deve, em primeiro lugar, definir os seus objetivos de investimentos. Definir as metas a serem alcançadas e a estratégia a ser utilizada para buscar estas metas. Isto depende de cada um, é claro. Um certo equilíbrio na carteira entre RF e RV eu acho desejável.  Quem tiver mais disposição para correr riscos pode carregar um pouco mais nas ações e quem for mais conservador o contrário.  
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim 
     
     

      Marcelo, Turco, FTA, César, Paulo RS, Bruno Bartolomasi, Fernando_Klem, Felipe L S, JX, Rodrigo, Juninho, José curtiram isto.



    3  
    Luiz_Alvim   22 mar  

    TIET11 X TIET4: PRATICAMENTE OS MESMOS INDICADORES FUNDAMENTALISTAS, MAS PREÇOS MUITO DIFERENTES

    Olá Ronaldo, 
     
    No caso desta empresa acontece o seguinte: 
     
    TIET3 é a ação ON. 
    TIET4 é a ação PN. 
    TIET11 é uma UNIT, formada por 4 PN e 1 ON.  
     
    Então, quando você compra uma TIET11, na verdade está comprando 1 TIET3 e 4 TIET4. Os indicadores que são da empresa, são os mesmos para todas as ações. Por isto a cotação da TIET11 é muito diferente da TIET4. 
     
    Abraço, 
    Luiz Alvim

      RonaldoMG, Rodrigo, Capt. Gottlieb curtiram isto.



    14  
    Ligiani Tolotti   22 mar  

    RANKING DE CORRETORAS

    Aos colegas que haviam comentado sobre o aumento de custos da Rico, 
     
    Também recebi essa notícia com muito desagrado, e pior ainda, a novidade veio logo depois da Rico ter sido adquirida pela XP. Nunca gostei da XP, e tenho uma resistência pessoal com essa empresa, que, infelizmente, comprou as duas corretoras com as quais eu operava: a Rico e a Clear. Infelizmente, a única novidade que percebo é uma inserção de taxas ocultas, encarecimento dos produtos e péssimo atendimento (o ... Ver mais que era ruim conseguiu ficar pior).  
     
    De modo geral eu não estava muito satisfeita com a Rico, mas a aquisição pela XP e este aumento absurdo dos custos me fez perceber que estava na hora de voltar a garimpar e buscar uma nova corretora, na verdade duas novas, pois gosto de trabalhar com um corretora para especulações e outra para investimentos a longo prazo (IG, TD, LCI e Debêntures).  
     
    Gostaria de compartilhar com os colegas aqui os meus achados para que possamos compartilhar experiências a este respeito. 
     
    Para o longo prazo, encontrei a Easynvest. Os pontos que mais me agraram nela foram: não possui taxa de custódia, não cobra para fazer retirada do dinheiro, não tem taxas na renda fixa e possui um portfólio diversificado na renda fixa (algo que não encontrei, por exemplo, na ModalMais, que se restringe às emissões do banco Modal). Além disso, usa o mesmo gráfico da Rico, que gosto e estou acostumada, o TraderData. A visualização dos ativos em carteira é prática e vêm com gráficos intuitivos, sem precisar "caçar" demais para descobrir o que se tem. A corretagem não é a mais barata do mercado (como Mirae e MyCap), mas também não é tão cara, e pessoalmente, acredito que compensa os benefícios citados anteriormente. Outro detalhe, a corretora divulga seus balanços no próprio site, de forma bem visível. Falando nisso, os resultados dela não têm sido ruins, principalmente com o atual contexto das corretoras. Segue o link dos dados no Banco Data xA target=_blank HREF="xA target=_blank HREF="">http://www.bancodata(...) 
     
    Para as especulações, gostei da Nova Futura. Já tinha lido o Bruno comentando sobre a corretora e fui conhecer mais. Inicialmente, não gostei muito da interface do home broker web, o da Clear é muito superior, por exemplo. Mas os custos de corretagem são realmente tentadores. Eles também possuem uma plataforma de operação desktop gratuita que é do mesmo fornecedor do Rico Trader, eu usei essa plataforma um tempo na Rico e gostei, foi um ponto a mais para a corretora. Apesar dela possuir taxas de custódia e de saque, acredito que os custos são baixos e não pesam tanto nas especulações quanto o preço de uma corretagem mais cara pesaria. Um outro ponto que pesou a favor desta decisão foi a migração dos analistas da Rico que faziam o programa Ponto a Ponto para a Nova Futura, eu gostava muito de assistir as análises de Swing Trade da Bruna Sene, e quando descobri que não só ela, mas toda a equipe tinha migrado para a Nova Futura, foi um fator que ajudou a confirmar a decisão que já vinha se formando. 
     
    Vou fazer a minha migração em breve, e pretendo atualizá-los sobre qualquer perrengue ou boas novas que aconteçam.

      Abreu, Leitão, Bruno Bartolomasi, Diego, Safo, FH, Zeca_Filho, Rafael_Resende, Marcelo Lopes, José, RonaldoMG, Gustavo Griffo, Igor Drago, aresno curtiram isto.



    13  
    Bruno Bartolomasi   23 mar  

    DISCUSSÃO DE TAESA - TAEE11

    Olá amigos, 
     
    Tenho o hábito de ler o chat do Leitão quando recebo por email, sempre me esqueço da possibilidade de acompanhá-lo em tempo real, rsrs, e hoje eu vi surgir uma dúvida no chat que acho interessante discutirmos aqui, afinal, vi essa dúvida em vários fóruns e com diversos amigos. A questão é a seguinte: A queda no RAP terá um grande impacto na Taesa? 
     
    (Quem já está familiarizado com o conceito de RAP, pode pular o próximo parágrafo) 
     
    RAP ... Ver mais significa Receita Anual permitida e é a forma de faturamento das empresas transmissoras, resumidamente, o RAP é o limite que será pago para a empresa por disponibilizar as linhas que ligam dois pontos. O RAP é calculado pela ANEEL e uma empresa ganha o direito de explorar novas linhas dando um desconto sobre o RAP oferecido, mais ou menos assim: digamos que o RAP de uma nova concessão seja 1000, uma empresa oferece 5% e a outra 10% de desconto, a segunda vence o leilão por um RAP de 900. Essa é a fonte de receita da Taesa. 
     
    Existem 3 classificações no mercado brasileiro de transmissão, para não me prolongar, não vou entrar em detalhes (quem tiver curiosidade, isso está bem explicado no RI da Taesa), mas a maior parte das concessões da Taesa se encontram na seguinte regra: contrato de 30 anos e redução de 50% da RAP no 16º ano. 
     
    A grande vantagem das transmissoras em relação as geradoras e distribuidoras é que elas não dependem de quantidade de energia elétrica para serem pagas, ou seja, as transmissoras recebem por deixarem os cabos disponíveis, independentemente de passar muita ou pouca energia lá, por esse motivo, enquanto muitas elétricas sofreram com as crises hídricas e com a MP 579, a Taesa passou tranquila por essas turbulências. 
     
    A Taesa também é uma excelente pagadora de dividendos, distribui cerca de 90% do lucro, acontece que em 2018 haverá uma queda forte da RAP da companhia, cerca de 40% das linhas terão corte de 50% e isso tem incomodado um pouco as pessoas, afinal, uma empresa que distribui todo o lucro está preparada para uma redução tão brusca?  
     
    A resposta é: sim, está! Já é de conhecimento da empresa essa queda, ela é esperada e tudo que a empresa vem fazendo leva em conta essas quedas da RAP, inclusive as distribuições de dividendos. Para simplificar, eles trabalharam mais ou menos assim: Suponhamos que o lucro esse ano seria de 1000 e ano que vem, com a queda, seria de 500, o que eles fizeram foi declarar um lucro de 750 esse ano e 750 ano que vem, eles linearizaram o lucro líquido para que a queda da RAP não tenha impacto algum no resultado. A empresa passará a gerar menos caixa, não menos lucro, por isso, inclusive, a empresa vem diminuindo bastante a sua dívida, de forma que hoje a liquidez corrente está em 1,82 (ou seja, tem dinheiro suficiente para pagar as dívidas de curto prazo) e a liquidez geral é de 161,66%, ou seja, teoricamente, para cada 100 reais em dívidas, a empresa possui 161,66 reais. Isso vem sendo feito para se preparar para o período de menor receita. 
     
    Apesar de distribuir 90% do lucro, a empresa tem uma política de crescimento interessante, em 2008 o lucro líquido foi de 188mi e a receita 613mi, em 2016 o lucro foi 862mi e a receita 1.3bi. Dia 28 de outubro a empresa lançou um fato relevante avisando que venceu 4 lotes no leilão de novas transmissões, na teleconferência o diretor financeiro avisou que a companhia pretende entrar forte nos próximos leilões, isso pode diminuir um pouco o altíssimo dividendo que a empresa vem pagando (cerca de 12% em cotação atual), mas é uma ótima notícia, já que a empresa mostra que pretende continuar crescendo e gerando valor para o acionista. 
     
    Espero que esse texto possa acalmar os possíveis amigos que estão preocupados com a empresa e também ajudar aqueles que estão começando a estudar a Taesa. Se alguém quiser acrescentar algo, discordar ou concordar, fiquem a vontade, esse tópico é justamente para falarmos da empresa. 
     
    Abraço!

      Luiz_Alvim, Marcelo, Leitão, Ugo Zanchi, Turco, Túlio , JX, Diego, Rafa M, neilorp, Gabriel Cançado, Rafael_Resende, Capt. Gottlieb curtiram isto.



    4  
    Bruno Bartolomasi   23 mar  

    BITCOIN - UMA ALTERNATIVA DE INVESTIMENTO?

    Boa tarde Ronaldo, 
     
    Eu tenho um pensamento particular sobre o que é e o que não é investimento. Investimento, pramim, é algo que vai me gerar retorno, se eu comprar uma barra de ouro, não importa o que eu faça, posso esperar 1 dia ou 50 anos, eu terei sempre 1 barra de ouro, o mesmo vale para Euro, Dólar, Bitcoin, arte... quando pensamos na possível valorização da moeda (ou da obra de arte, instrumento musical, etc) isso não é investimento, é especulação, pois se temos 1 quadro ... Ver mais ou 1000 dólares hoje, é o mesmo que teremos amanhã. Portanto não considero nada disso como investimento, na minha visão, isso é especulação ou reserva de proteção, explico: 
     
    Se o objetivo é vender no futuro com lucro então é especulação, se o objetivo é ter uma reserva protegida de inflação, protegida do risco Brasil e etc, então é reserva de proteção. 
     
    Especificamente sobre o Bitcoin, existem muitos casos de fraude por ai, mas existem também muitos corretores sérios e boas formas de comprar Bitcoin, inclusive nos EUA existem corretoras que aceitam Bitcoin para comprar ação, então tem gente comprando Bitcoin aqui em reais para trocar por ações nos EUA e não precisar pagar todos os impostos de mandar a grana pra lá (não posso explicar os detalhes pois não sei como funciona exatamente). 
     
    Minha sugestão: Se quer especular, use moedas como Dólar, Euro, Iene, Libra... é bem mais fácil entender os fundamentos dos respectivos países do que entender a os fundamentos do Bitcoin. Por outro lado, se quer uma reserva de valor, opte por Dólar, Euro, Iene, Libra... rsrsrs, pelo mesmo motivo! rsrs.  
     
    Essa é a minha visão, espero que ajude. 
     
    Abraço!

      Luiz_Alvim, Leitão, Rodrigo, Flávio Pontes curtiram isto.



    3  
    RonaldoMG   24 mar  

    BITCOIN - UMA ALTERNATIVA DE INVESTIMENTO?

    Bacana, Bruno! 
     
    Concordo com sua visão entre especulação e investimento...  
     
    Não entendo muito de bitcoin tbm e confesso que tenho um pé atrás quanto à moeda, mesmo sabendo que nenhuma moeda oficial também não possui lastro, apenas imposição legal de uso no comércio. Pelo que entendi, bitcoin funciona pq quem usa aceita aquilo como algo que traduz o valor de um produto/serviço. Um acordo de cavalheiros... 
     
    Os ganhos são muito chamativos, mas ... Ver mais sou muito desconfiado de tudo que não entendo e/ou parece magia financeira...kkkkk!!! 
     
    Valeu!

      Luiz_Alvim, Bruno Bartolomasi, Leitão curtiram isto.



    6  
    Luiz_Alvim   25 mar  

    DISCUSSÃO DE TAESA - TAEE11

    Olá Bruno e demais amigos do Buteco, 
     
    Concordo com você que TAESA é uma boa empresa. Tanto assim que ela está na minha carteira desde abril de 2013 e venho fazendo os aportes regularmente. Além disso, no final de 2014, quando decidi deixar de ser sócio da CEMIG, transferi para a TAESA todo o investimento que tinha feito em CEMIG. Na época expliquei em tópico específico aqui no Buteco porque deixei de ser sócio da CEMIG, mas isto não importa muito agora. 
     
    Como ... Ver mais faço com todas as empresas que tenho na minha carteira, procuro acompanhar o mais de perto possível tudo que acontece com a TAESA. Como você citou no post acima, existem várias características na empresa que me agradam bastante (capacitação técnica, previsibilidade das receitas, ótima remuneração ao acionista, etc.). Mas, existe um aspecto na TAESA que sempre me preocupou um pouco: a partir de 2013 ela praticamente parou de crescer. Tanto a receita líquida como o lucro permaneceram relativamente estáveis de lá para cá. Em 2016 tivemos até um pequeno recuo nestes indicadores. Os próprios gestores da empresa sempre reconheceram nos encontros com analistas e investidores que o maior desafio da TAESA era alcançar um nível razoável e consistente de crescimento. 
     
    Para uma empresa transmissora como a TAESA conseguir crescer, não tem muito mistério. As alternativas são apenas duas: ou a empresa ganha a concessão de novos ativos disputando os leilões promovidos pelo governo (projetos greenfield), ou adquire no mercado ativos já desenvolvidos e em operação pertencentes a outras empresas. No primeiro caso, um dos inconvenientes é o tempo que se leva para a sua execução (3 a 5 anos). Além disso dependendo da sua complexidade, o risco não é desprezível, lembrando que a receita só vem depois que o projeto entra em operação. Várias das atuais concessões da TAESA foram adquiridas de terceiros, o que sem dúvida foi um ponto muito positivo para empresa. 
     
    Uma característica muito importante da TAESA é o comportamento responsável que ela sempre mostrou nos leilões do governo. Além de saber avaliar muito bem quais são os lotes de seu interesse, os seus lances (percentual de desconto sobre a RAP) são muito bem calibrados de forma que, em caso de vitória, um bom retorno sobre o investimento estará garantido no futuro. O governo Dilma reduziu muito a TIR (taxa interna de retorno) das novas concessões ofertadas e muitos lotes não foram arrematados no leilões realizados naquele período.  A TAESA mesmo deixou de participar de vários destes leilões. Com a mudança de governo esta situação mudou bastante e os retornos voltaram a ficar atrativos para as concessões. No leilão realizado em outubro de 2016 a TAESA arrematou quatro lotes, dois deles em parceria com a CTEEP. Estes novos ativos vão garantir para a empresa uma RAP adicional de R$ 450 milhões quando entrarem em operação daqui a 5 anos. 
     
    No finalzinho de 2016 a TAESA comunicou ao mercado através de fato relevante que a empresa colombina ISA (controladora da CTEEP no Brasil) adquiriu a participação acionária total que o fundo FIP Coliseo possui na TAESA (14,88% do capital social total). Esta operação ainda aguarda a aprovação do CADE e da ANEEL e, quando isto acontecer, a ISA passará a integrar o bloco de controle da TAESA. Eu vejo esta transação como sendo positiva para a TAESA, pois poderá trazer sinergias positivas para as duas empresas. Como vimos acima, elas já são sócias em dois ativos arrematados no último leilão. TAESA e CTEEP são transmissoras puras com excelente expertise em seus negócios. 
     
    Bruno, 
    Você explicou bem a questão do impacto da redução da RAP de alguns ativos da TAESA a partir de 2018 em seus resultados. Como a empresa adota o padrão contábil internacional IFRS em seus balanços, o lucro contábil não será afetado por causa disto, mas, a geração de caixa certamente será. E, de acordo com os meus critérios para seleção de empresas, o FCL (fluxo de caixa livre) é um indicador tão importante quanto o lucro. Em minha opinião, existe uma boa probabilidade de que o DPA (dividendo por ação) seja um pouco reduzido daqui para frente. Apesar disto, não penso em deixar de ser sócio da TAESA. Como a minha visão é mais de longo prazo, o fato da empresa estar voltando a investir em novos ativos me deixa animado. Entretanto, acho que precisamos continuar acompanhando para ver se ela dará continuidade a esta sua estratégia de crescimento. 
     
    Grande abraço, 
    Luiz Alvim 
     
     

      JX, Bruno Bartolomasi, Leitão, Abreu, neilorp, Gabriel Cançado curtiram isto.



    6  
    Turco   25 mar  

    INICIANDO OS TRABALHOS

    Como comentei logo abaixo a questão de formação de carteira é uma questão muito pessoal, mas não me furto de externar minha visão pessoal quando solicitado.  
     
    ALPA: O que dizer dela?  
    Na situação atual não entraria em minha carteira pois entendo que o fechamento do capital ou alienação do controle ou parte dele é questão de tempo.   
    Ela está listada na BOVESPA no nivel 1 de governança corporativa, onde é obrigatório manter no mínimo 25% de Free Float. ... Ver mais Hoje seu FF é de 14,25.  
    Já vimos este filme quando a COELCE tentou fechar o capital e depois desistiu, ficando com o FF de apenas 8,4%  
    Como possuo ALPA3 estou tranquilo e aguardo oportunidade de mercado para substituí-la.  
    Deste ramo tenho a GRANDENE;  
     
    SEER: É um setor que não me agrada muito. No meu entender está em processo de "autofagia".  
    A KROTON incorporou a ANHANGUERA e encontra-se em porcesso de absorver a ESTACIO...  
     
    ODPV: Está em meu radar.  Acho que merece ser olhada com carinho, pois tem mostrado um bom desempenho;    
     
    SAPR: Não acompanho o setor.

      Bruno Bartolomasi, Leitão, Rodrigo, Natália, Rafa M, aresno curtiram isto.



    4  
    Felipe L S   25 mar  

    A RENDA FIXA SEMPRE GANHA DO IBOVESPA NO LONGO PRAZO?

    Olá, Luiz_Alvim! 
     
    As tuas ponderações são muito boas e necessárias como uma forma de refletirmos sobre o que consideramos investimento. Em anexo, deixo o famoso gráfico construído pelo Jeremy Siegel. O referido gráfico mostra que no longo prazo a rentabilidade das stocks (ações) supera com folga as bonds (títulos do governo com vencimento de longo prazo) e as bills (títulos do governo com vencimento de curto prazo). É claro que esse é um gráfico aplicado à uma economia desenvolvida ... Ver mais (EUA). Mas observe algo muito interessante nesse gráfico: foram necessários aproximadamente 60 anos (1802-1862) para que a rentabilidade das stocks começasse a se descolar da rentabilidade dos bonds e das bills... Sessenta anos é quase uma vida inteira de investimentos! Muitos de nós mal temos cinco anos de investimento e por isso a diferenciação entre a rentabilidade das ações e do tesouro direto (TD) fica confusa/nebulosa (ainda mais considerando as instabilidades políticas e econômicas do Brasil). 
     
    Outro ponto importante a ser observado é fato de, quando da ocorência de crises sistêmicas, os investidores deslocarem os recursos para ativos reais (ações, imóveis, commodities) e saírem dos ativos baseados em moeda (títulos do governo). O endereço abaixo mostra a evolução do índice IBC (Índice Bursátil de Capitalización) que é o índice mais importante da bolsa de valores de Caracas (sim a Venezuela tem bolsa de valores hehehe) composto pelas 11 empresas mais capitalizadas/líquidas da bolsa). 
     
    http://www.bloomberg(...) 
     
    http://www.tradingec(...) 
     
    http://www.datosmacr(...) 
     
    Cliquem nos botões de máximo período (5Y, 10Y) para observar a evolução do índice. É espantoso o quanto índice subiu mesmo com uma gravíssima situação econômica no país (o que demostra como os ativos reais valorizam nas  crises). 
     
    Por fim, vou deixar um link de um camarada muito interessante que escreveu um pouco mais sobre o método "Buy xHold" com base nos estudos do Siegel. 
     
    http://frugalsimple.(...) 
     
    Para quem não domina o inglês, é possível mudar o idioma em "x language". Nas palavras do próprio Siegel: "The more conservative the investor, the greater their allocation in shares." 
     
    Espero que possa ajudar! 
    Felipe L S 

      Rodrigo, Rafa M, Juninho, José curtiram isto.



    6  
    Paulo RS   27 mar  

    A RENDA FIXA SEMPRE GANHA DO IBOVESPA NO LONGO PRAZO? - IBOV

    O Prof Leitão postou este link riquíssimo no Blog para uma pergunta do colega Luiz Alvim. Clique e divirta-se. São muitas informações sobre o histórico do IBOV: 
     
    http://www.enfoque.c(...)

      RonaldoMG, Felipe L S, Turco, Rafa M, Juninho, Tom curtiram isto.



    11  
    Luiz_Alvim   28 mar  

    FUNDAMENTOS NATU3 - NATU3

    Olá Raul, Felipe e demais amigos do Buteco, 
     
    Minha visão sobre a Natura é um pouco menos otimista. 
    Desde que comecei a montar minha carteira de IG, no início de 2012, ela é uma empresa que sempre esteve no meu radar. Apesar de tê-la estudado com mais atenção algumas vezes, só me animei mesmo a coloca-la na minha carteira três anos depois, numa época em que alguns colegas aqui do Buteco, que já eram sócios há mais tempo, começavam a questionar o desempenho da empresa.  Entretanto, ... Ver mais em fevereiro deste ano, ao fazer uma nova avaliação dos seus fundamentos, cheguei à conclusão que deveria retirá-la da minha carteira. Vou tentar explicar abaixo as minhas duas decisões em relação à NATU3. 
     
    PORQUE ME TORNEI SÓCIO: 
    A Natura tem uma história muito bonita, muito bem retratada por sinal no livro NATURA – A Realização de um Sonho, escrito pela pesquisadora e especialista em gestão empresarial Betânia Tanure. A empresa sempre foi sinônimo de inovação, o que não é uma característica muito comum nas empresas brasileiras. Seus produtos possuem excelente qualidade e ela cresceu muito baseada no modelo de venda direta através das consultoras. Quando decidi entrar, a empresa já vinha apresentando um certo declínio nos seus indicadores.  Mas, como um ano antes ela havia substituído o seu presidente e havia a perspectiva de grandes mudanças, eu achei que valia a pena apostar na sua recuperação. Havia uma promessa da nova administração, comandada por Roberto Lima, de tornar a Natura uma empresa multicanal para a comercialização dos seus produtos. Até porque, o modelo de venda direta já não conseguia sustentar o seu crescimento. Além disso, o preço das ações havia caído bastante (abaixo de R$ 20) e o índice P/L andava na faixa de 9.  
     
    PORQUE DEIXEI DE SER SÓCIO: 
    Eu concordo com o Felipe quando ele diz que a crise econômica que estamos passando tem contribuído para a queda de desempenho da Natura. A grande maioria das empresas brasileiras está sendo afetada pela recessão, não há dúvida. Mas, em minha opinião, os problemas da Natura começaram antes desta crise que aí está. Ela atua num ótimo setor e que tem grande potencial de crescimento, mas a concorrência também é gigante. Até alguns anos atrás a Natura era a empresa líder no setor, mas já foi ultrapassada pela Gessy Lever e pelo Boticário.  O plano de abrir lojas próprias em shoppings anunciado lá em 2015 vem sendo tocado em ritmo muito lento. Apenas cinco lojas foram inauguradas em 2016 e a meta anunciada para 2017 é de abrir 30 novas lojas. Enquanto isto, o Boticário já chegou a 4.000 lojas distribuídas entre as redes Boticário, Eudora, The Beauty Box e “Quem disse Berenice? ”, além de atuar também fortemente em venda direta (consultoras) e através da internet. Redes internacionais também estão vindo cada vez mais para o Brasil. Em 2015 a Hypermarcas vendeu todo o seu negócio de cosméticos para a multinacional Coty por R$ 3,8 bilhões. Sugiro aos amigos butequeiros que, da próxima vez que forem a um shopping center em suas cidades, prestem atenção na quantidade de lojas de produtos de beleza de marcas diferentes ali existentes. A diversidade é muito grande, mas a Natura não está lá. Nem os próprios sócios controladores da Natura, que construíram este belíssimo negócio do zero, e hoje estão no seu conselho de administração, estão satisfeitos com esta situação.  Tanto assim, que demitiram o presidente Roberto Lima no final do ano passado e colocaram no seu lugar João Carlos Ferreira, executivo que fez carreira na própria empresa.  No meu modo de ver, apesar dos excelentes produtos que possui e de uma marca ainda muito forte, a Natura está perdendo terreno para os concorrentes. Estas são as razões que me levaram a deixar de ser sócio da Natura. 
     
    Amigos, 
    Como já comentei outras vezes aqui no Buteco, penso que a decisão de sair de uma empresa é bem mais difícil do que a decisão de entrar. Apesar das dificuldades atuais, a Natura pode dar a volta por cima e achar novamente o caminho do crescimento dos seus resultados? É possível que sim, pois afinal de contas ela ainda possui qualidades importantes que a trouxeram até aqui com muito sucesso. Infelizmente, não dá para prever o futuro e, no meu caso, tenho um prazo e uma meta para cumprir nesta minha estratégia de IG. Faltam pouco mais de quatro anos para eu chegar lá. Talvez, se o meu prazo fosse maior, eu até pudesse esperar um pouco mais nesta minha decisão de deixar de ser sócio da Natura. Gosto bastante da empresa, mas acho que nos investimentos precisamos privilegiar mais a razão em detrimento da paixão. Se fosse no futebol esta decisão seria moleza (rs.rs.rs...). 
     
    Grande abraço, 
    Luiz Alvim 

      Carlão_A, Marcelo, Turco, Leitão, Felipe L S, Rodrigo, mauricio gonzo, Rafael Melo, José, Rafael_Resende, Igor Drago curtiram isto.



    6  
    Rodrigo   30 mar  

    DÚVIDAS SUZB5 E VALE3, VALE INVESTIR

    Boa tarde Paulo Alexandre Patrício e amigos do Buteco. 
     
    Essa é a minha primeira postagem por aqui, fiz o curso agora em fevereiro. 
    Queria pedir-lhe licença para aproveitar o seu post para fazer a minha primeira participação. 
     
    Antes de mais nada, devo dizer o que Leitão foi muito feliz em afirmar que a galera que compunha essa família é top. Realmente, a cada postagem que eu leio aprendo mais. Muito obrigado a todos pelas contribuições. 
     
    Bom, ... Ver mais assim como você, eu estou começando a pesquisar as empresas para compor a minha carteira, então não tenho tanto para contribuir. Fiz uma análise (de principiante total) aos moldes que nosso mestre ensinou e acredito que você está fazendo boas escolhas. Você diversificou bem os setores e buscou empresas com ROE e ROIC interessantes: 
     
    VALE3: Sabemos que é uma empresa sólida, porém vem passando por problemas ultimamente. O P/L está interessante, assim como o valor da ação, comparada com o VPA da empresa. Mas o gráfico de lucro está muito ruim. Mesmo ouvindo falar muito bem da Vale, eu pensaria para comprar ações dela. Posso estar falando um bobagem extrema, os mais experientes me corrigem por favor. 
     
    GRND3, TAEE11 e SAPR4 foram as melhores avaliações pra mim. ROIC e ROE entre 15% e os preços das ações ultrapassam pouco mais do que o dobro do VPA. Seus Div. Yield são interessantes e apresentam lucros crescente. Confesso que me interessei nessas empresa e estou montando uma carteira com elas também...hehehe 
     
    HGTX3 apresenta queda de lucro nos últimos anos e P/L acima de 14. Apesar de tudo, o patrimônio vem crescendo e o ROE e ROIC estão acima de 15%. Sem contar que o pagamento de dividendo está interessante. Mas acho que aprofundaria a minha análise um pouco mais para investir nela. 
     
    WEGE3 acho uma ótima empresa, lucros crescentes e um bom patrimônio. Porém achei o P/L alto e o valor da cotação também, pois o VPA dela é 3,69. Mas mesmo assim já inclui ela na minha carteira. Gosto da empresa e confio no crescimento dela. 
     
    A ABEV3 segue uma linha parecida com a WEGE3, porém os seus lucros não estão tão interessantes e o valor da cotação está muito alto com relação ao VPA, que é 3,2%. Acho uma boa empresa, mas coloquei em segundo plano para investir. 
     
    A ITSA3 apresenta bons fundamentos e, apesar de ter um ROIC de 0,2%, acredito que seja um bom investimento. Penso muito na ITUB3 também, acho uma boa opção, apesar do preço dela estar alto. 
     
    A AFLU3 está com um bom preço e tem um dos melhores pagamento de dividendos, sem contar que o ROE e ROIC dela está em mais de 25%. Porém, o lucro e o patrimônio estão ruim, eu não compraria. 
     
    LEVE3 eu achei que tem um P/L muito grande, sem contar que o lucro vem caindo nos últimos anos. Não compraria. 
     
    A CIEL3 está muito cara, mas apresenta bons ROIC e ROE, além do lucro crescente e bom patrimônio. Também estou pensando em investir nela. 
     
    Agora, a Renner, vou ter que pedir ajuda dos universitários...kkk 
    Sinceramente não entendi os dados dela: VPA de 4.097,26 e cotação de 150,00 (caramba); Div. Yield de 69,1% (um dos maiores que já vi); crescimento exponencial de lucro e patrimônio. Desculpem a minha ignorância, mas não entendi o que acontece com essa empresa...kkk 
     
    Bom Paulo, sei que não contribui muito com as suas dúvidas, mas estou no mesmo patamar do que você, ainda estou construindo a minha carteira. Espero poder trocar experiências futuras sobre nosso investimento. 
     
    Fico no aguardo dos mais experientes comentarem sobre o seu post. 
     
    Grande abraço a todos. 
    Rodrigo.

      paulo alexandre patricio, Leitão, RonaldoMG, Samanta Arrais, Juninho, José curtiram isto.



Edição de MARÇO/2017

 

 

Produzido por: http://leitaoemacao.com/buteco

Edição de MARÇO/2017

(Versão Beta, em teste.)

FOLHETIM